A"DESCOLONIZAÇÃO"ASSENTOU EM LEI ANÓNIMA AQUANDO DA EXISTÊNCIA DE GOVERNOS PROVISÓRIOS SEM LEGITIMIDADE CONSTITUCIONAL.
O processo da traição:
Este poderia muito adequadamente ser a designação de causa posta em tribunais sobre a (descolonização exemplar).
Talvez mais expressiva do que a da cadeia, será - O JUÍZO DA HISTÓRIA -.
`

A GUERRA AO SUL DE ANGOLA.



Havana, 1985 - SWAPO, MPLA e Cuba - SWAPO Presidente Sam Nujoma, o líder da missão civil cubana em Angola e membro do Comité Central komprtii Cuba, Risket Jorge Valdez, e Raul Castro.



Huambo, Ruacaná, 27 de Março de 1976. As conversações entre as autoridades da África do Sul, na Namíbia ( e o comandante Leopoldo Cintra Frias que se apresenta como representante de Angola). Os Sul-Africanos querem a garantia dos seus interesses nas instalações hidroeléctricas da fronteira. Os cubanos têm este evento como uma capitulação das tropas Sul-Africanas.
Na foto à esquerda, JM de Wet, o Comissário-Geral no Oeste da África (Namíbia). À direita, Merha Van, Comandante da SADF.



Esta foto, foi amplamente divulgada nos relatórios militares e nos meios de comunicação cubanos, supostamente mostra a chegada à fronteira de tropas das FAPLA a 27 de Março de 1976 quando assinaram os acordos sobre as instalações hidroeléctricas no Cunene. Mas, na realidade é BRDM-52 veículos blindados RIM pertencente ao Comando Sul Bon.2 do CR. Fleitas. Os cubanos foram fornecidas pela FAPLA para a plataforma, incluindo alguns combatentes negros.






Cubano, mutilado de guerra.



O artilheiro cubano Carlos Orlando, de 20 anos, junto aos seus captores somalíes numa aldeia de Ogadén, Etiopia. O governo de Fidel Castro não só interferiu com 300.000 soldados em Angola, como também na Guiné Bissau, Moçambique e Etiopia.
Cuban artillery Carlos Orlando, 20, stands with their Somali captors in village in Ogaden, Ethiopia. Fidel Castro’s government intervened with thousands of troops not only in Angola but also in Guinea Bissau, Mozambique and Ethiopia. 1978.



Soldados Sul-Africanos em Cabinda.




Soldados do 32 Batalhão-Buffalo Sul-Africano revistaram um prisioneiro leva a crer tratar-se de um partidário da(SWAPO). Na Operação "Zulu", no território ao sul de Angola, Kuamatu.




Troca de prisioneiros. Enquanto se desenrolavam os combates de Mavinga-Cuito Cuanavale, era levado a cabo o intercâmbio de prisioneiros entre Luanda e Pretoria. O Capitão Recces Wynand du Toit, capturado en Cabinda em 1985, é trocado por 170 tropas das FAPLA no poder do SADF.




Ensign Pestretzoff, após libertação da prisão Sul-Africana.




Soldados Sul-Africanos, campo com prisioneiros cubanos e das FAPLA.



"O MIG QUE NÃO QUEBROU O CORAÇÃO A NINGUÉM":

"O MIG que não quebrou o coração a ninguém". Este é o leme horizontal de um Mig-23, pilotado por um cubano. Foi derrubado por um Stingermissile fornecido por americanos.
MIG-23ML com indicativo de C-477 abatido na zona do Cuito-Cuanavale.
Segundo W. Marshall através de Tom Cooper, agente da CIA, à esquerda inspecionava os destroços.



O MIG-23, soldados cubanos:


A 27 de Junho de 1987, numa operação concebida e dirigida por Fidel Castro desde Havana, 50 soldados da Divisão do movimento do sudoeste da fronteira de Angola com a Namíbia, num ataque do avião cubano GAI em Calueque-Cunene, às instalações hidroeléctricas no Ruacaná, protegida por uma guarnição militar da África do Sul. O deslocamento de grandes números de tropas e equipamentos para um campo não ocupado pelos cubanos chamado de "ofensivo" para o bombardeio das instalações civis.Para corroborar com propaganda oficial, cubana, as Tropas Sul-Africanas escreveram em graffiti numa parede da Barragem destruída: "idiotas úteis" e ainda:
"sak van die kart MIK23" e eles traduziram como: "MiG-23 quebrou nossos corações."
Na realidade, a frase Afrikaans correcta é: "O Mig que não quebrou o coração a ninguém".




O capitão Jorge González Pérez,
abatido em Angola, no avião MIG-23ML que pilotava, foi abatido perto de Menonge a 25 de junho de 1986. As aeronaves cubanas, abatidas, são na grande maioria, os aviões MIG, e helicópteros MI-8T, segundo fontes, ascenderam a mais de 50, alguns abatidos pela UNITA com lança mísseis, inclusive por erro alguns abatidos pelo MPLA.




PILOTOS CUBANOS:

Da esquerda para direita: Silvio Mojena González, Mario Rivas Morales e Emilio González Rivas (morto em combate) em Angola.

Transmitidos da África do Sul por um militar do "32 Batalhão Buffalo", os pontamentos de um cubano em Angola.
(apontamentos traduzidos de espanhol, para português).

Diário de combate de um cubano:
Do cubano Rivas, piloto e ex-oficial da Força Aérea cubana em Angola.

1ª-
"Em 8 de Maio ficamos a saber que o representante da aviação de Techamutete divulgou uma notícia de um avião Mirage abatido a cerca de 4 km de Cassinga.
Em 11 de Maio havia rumores de que os sul-Africanos não tinham tido tempo de reembarcar todas as tropas e deve ser alguma na região.
Não houve essa aeronave abatida, pelo menos em território angolano. Tropas sul-Africanas não deixaram mortos ou feridos, prisioneiros muito menos. Os foguetes ar-terra, tipo portátil "arrow"(feitos pelos soviéticos), mostraram-se extremamente frágeis e complexo. A política de não interferência nos assuntos internos de Angola, que tanto proclamou o governo cubano, era completamente falsa. Estávamos em Angola para combater a UNITA, e a FNLA, mas não fomos capazes de defender os nossos aliados no confronto com os sul-Africanos, que haviam dado uma lição de “maneiras e como fazer uma operação bem sucedida” em contraste com o fracasso da nossa que foi concluída há menos de 15 dias durante o "Tactical Exercise campanha ".
O esforço do Mando cubano havia sido orientado até recebimento de "controle" procedente de Cuba, sem levar em conta a possibilidade de este tipo de golpe surpreendente. O famoso "Control", o realizaria o Estado Maior General e seria em função ao periodo de instrução Abril/Agosto de 1978.
Em Cuba considerava que a paz reina sobre a face da terra angolana. Entende-se que, como política internacional, Angola anunciava que em seu país não existem forças beligerantes. Até aí tudo bem, mas depois nós mesmos demos crédito e sobre essa base fizemos as nossas planificações...
No caso de que os sul-Africanos realizassem um ataque a 200 quilómetros da fronteira os nossos tanques encontravam-se sobre calços e cheios de letreiritos que diziam: "Bem-vindos, companheiros da comissão "

O tenente coronel Toledo comentou-nos que no dia 4 três horas depois de ter começado o ataque à povoação, o chefe das tropas cubanas em Techamutete havia perguntado insistentemente por rádio se suspendia o control a fim de descer os tanques dos calços e avançar para Cassinga, e repetia incessantemente que a ordem de combate estava dada sempre. Continuou dizendo que ao fim de três horas e só depois que o general Raúl Menéndez Tomassevich (já falecido) dizer: cago-me várias vezes na sua mãe, foi aí que o chefe das tropas de Techamutete avançou para a povoação de Cassinga.
Em honra da verdade, devemos dizer que não foi este o único dos chefes que hesitou, no posto Central de Comando da MMCA, outros peixes gordos deram a sua resvaladela."

2ª-
"Eu estava em Cassinga um ano antes de ter sido atacado. Era uma cidade militarizada. O acesso à população foi defendida por ninhos de metralhadora nos topos das árvores que me chamou a atenção porque não era habitual entre os cubanos e angolanos bunkers fortificados e linhas de trincheira. Uma barreira e um posto militar cortou o caminho compactado, o único meio de comunicação dentro e fora da cidade. Além de metralhadoras pesadas e morteiros luz, tinha-o vi pessoalmente, ZPU-4 canhões anti-aéreos de 14,5 milímetros, anti-aéreas lançadores de foguetes COM (conhecido como Arrows pelos cubanos, como SAM-7, no Ocidente). A 15 quilómetros de distância em Tchamutete foi implantado um batalhão do exército regular, com 500 soldados cubanos, 17 BTR-52 e veículos blindados e quatro T-55.
Quando ele começa a atacar os guerrilheiros a maioria da população estava na praça principal, uma praça, onde era realizada uma reunião a cada dia com o hasteamento da bandeira. O primeiro ataque aéreo é particularmente destrutivo, causando danos não só em combustível e munições, mas também uma série de mortes e feridos entre o campo militar-civil."

3ª-
"A viagem de Luanda para Menongue era necessário para realizá-lo em duas etapas, com um reabastecimento no Huambo. A distância entre Luanda e Huambo era algo mais de 500 Km, e daí para Menongue, a distância foi praticamente a mesma. Fazer a viagem pelo Lobito foi uma medida de segurança em caso de surgir uma emergência. Primeiro, a zona costeira foi menos vulnerável aos ataques por parte da UNITA e, por outro existia um aeródromo alternativo. Por outro lado, a estrada do Lobito ao Huambo era ocupada pelas nossas tropas cubanas.
Na manhã do dia 5 chegaram de Luanda, coincidindo com o lançamento de um modelo de dois lugares MiG-21 que tinha como sua missão fundamental, realizar um reconhecimento da área.
Um pouco mais tarde, foi sugerida Techamutete, levando-nos ao tenente-coronel Toledo, chefe das tropas cubanas na região do Huambo. Voar sobre a área de Cassinga eu vejo três tanques destruídos na estrada.

Mais tarde a direcção para Techamutete foi indiferente, ( antiga Jamba-Huíla) o AN-26 de matrícula T-50, avião de transporte, que era então o chefe-executivo da MMCA, com a missão de evacuar os feridos. Pouco tempo depois o helicóptero decolou de Menongue, com a tarefa de interceptar uma unidade de infantaria que se estava movendo em Cassinga, mas ainda não tinha chegado à aldeia de Cuchi. Era necessário que ele volta-se ao seu lugar de origem. Não é adequada a sua presença em cena. A distância entre Menongue e Cassinga está sobre 200 km.
Entre as conclusões tiradas dessa luta foi o resultado de 18 mortos e 68 feridos, do lado cubano. Mais de 300 mortes da SWAPO, homens, mulheres, crianças e idosos.
Estima-se que a aviação Sul-Africana tenha agido de forma contínua durante três horas. Os Pára-Quedistas foram desembarcados em aviões de transporte C-130 e foram reenviados pelo menos oito helicópteros , mas mais tardar até 16:00 h.
Ele ouviu falar de um avião que teria caído e um pára-quedista piloto, que nunca apareceu. Pela nossa parte, foram disparados dois foguetes do tipo ARROW (míssil ar-ar portátil de fabrico soviético) que não funcionaram.
Baterias anti-aéreas, compostas de quatro bocas de 14,5 mm, que não foram eficazes."

4ª-
"A imprensa é utilizada para distorcer e, muitas vezes distorcem a maneira em que os eventos ocorreram: A seguinte informação aparece no livro intitulado "Os não-alinhados " a agência de notícias "Orbis", Tchecoslováquia:
"O ministro da Informação da Defesa de Angola disse que o ataque à vila de Cassinga, a 250 km da fronteira com a Namíbia, foi lançado por aviões de fabricação francesa pertencente à Força Aérea Sul-Africana, imediatamente depois, aviões de transporte lançaram cerca de 500 pára-quedistas para a área, iniciando o ataque a essas pessoas.

A força das FAPLA, que foram apresentados a algumas dezenas de quilómetros de distância, recebeu ordens para se mover e repelir o ataque, que causou a retirada imediata de pára-quedistas do sul -Africanos, numa frota de catorze helicópteros.
A frota de aviões de bombardeio sul-Africanos na área continuou durante toda a tarde do dia 4 e, acima de todos os guerrilheiros que tinham recuperado Cassinga.
As Tropas sul-Africanas em seguida atravessaram a fronteira com a Namíbia e atacaram as povoações de Calueque, Chetequera, Cuamuato, Dombondola usando veículos blindados de fabricação francesa. Isso foi o que publicaram as agências de notícias.

Para nós, este dia começou com um cheque para guarda de luta.
A partir daí, tudo mudou muito rapidamente. Em suma, os sul-Africanos, aparentemente em uma operação combinada bateram na cidade de minas de ferro de Cassinga a norte Techamutete e 200 quilómetros da fronteira com a Namíbia com forças especiais, apoiadas pela aviação.
O objectivo foi atacado, presumivelmente, o pessoal da SWAPO, que estava mais ou menos nessa área. Eu estava na guarda combativa (Luanda), quando recebi a ordem para sair com dois helicópteros indo para Menongue.
Um dos helicópteros teve que sair para Menongue quando estava voando de Cabinda para Luanda. Naquela época tínhamos apenas quatro helicópteros, mas estavam prontos doze tipos Mi-8 pertencente às FAPLA, mas não tinham tripulação. Por esta razão, só poderia deixar o H-01, imediatamente. Como estaria sozinho, eu decidi voar para o Lobito, em vez de ir directamente para o Huambo."




MI-14 do FAR, uma variante do MI-8 em amplo uso na guerra em Angola
De Riva piloto e ex-oficial da Força Aérea cubana.

5ª-
"As bombas de Napalm, o trabalho em equipe, foi enorme, mas os inventores eram muito difíceis de contornar, rotulavam-nos de "estúpidos". Foi assim que ficou frente a frente com um caso de introdução de caixas de granadas de mão, desde a porta traseira do helicóptero.
Estas granadas foram colocadas em recipientes de vidro, que por sua vez foram colocadas dentro de caixas de garrafas (caixas de madeira, de preferência). Algum tempo antes de chegar ao ponto de lançamento é removido o pino de segurança da granada, deixando o martelo ou o atacante, aprisionado pelo cristal.
Quando a caixa foi jogada no vazio, duas coisas podiam acontecer, as granadas caíram na caixa todas juntas ou foram separadas desta, na medida em que ela estava girando.
Mas a questão de rigor era a próxima. Por que arriscar tanto? Nossos helicópteros foram capazes de bombardear. No combate foi planejado os atentados e uma mira óptica, OPB tipo-1 foi instalada dentro do cockpit.
Se por alguma razão, a caixa de granadas derramasse parte de seu conteúdo no porão ...
O dia que nós testamos esta invenção, teve a alegação de que o vôo foi realizado apenas pela tripulação. Dias antes, eu tinha oposição.

Finalmente, nós concordamos que, sem a participação e manipulação directa dos "pais" do invento, não haveria vôo. "A desconfiança? Não só isso, além disso, considerou que a ocorrência de uma falha os decisores devem estar presentes para assumir as consequências.
Com um pouco de tempo e nós dissemos não, a idéia não prosperou, mas permaneceu latente em épocas diferentes, propostas diferentes, várias atrocidades, como o lançamento de uma bomba de Napalm que foi encontrada em um armazém abandonado de propriedade de um Português . A atrocidade foi deixar cair a bomba do porão de carga e depois queimá-la, lançando uma chuva de foguetes.
Parte de uma noite foi passada a falar com Harry Villegas (Pombo da guerrilha de Che na Bolívia), tentando explicar, por que não deveria realizar esta barbaridade, mas na contagem parecia que estávamos a falar em línguas diferentes. Nós entendemos uns aos outros, e no fundo da conversa foi o portador bug da dúvida sobre a integridade do género.

Por vários dias, carregado com o lugar para colocar a bomba feliz. Harry insistiu que sim, e eu não. O Aeroporto de Luanda foi visitado pela bomba. No final saímos ilesos.
Um dia, o anormal inventou alguns tambores de 55 galões, que é preenchido com uma substância incendiária (fósforo branco). Nestes tambores, ele colocou um anel de soldado (uma regra de ouro), para ser capaz de suspender a transportadora vigas (parte integrante do sistema de armas do helicóptero).

Em ambas as extremidades dos fusíveis "drum-bomba foram localizados iriam detonar e descartar (o cilindro-bomba) da transportadora, vigas, pinos, foram liberados os fusíveis e o monstro estava pronto, (supostamente em vôo livre e longe do helicóptero) para detonar quando no contactado com algo difícil, como a superfície da Terra.
Se fossem obrigados a "tambor" bombas "? Era necessário arriscar a vida da tripulação?
Muitos dos pilotos que participaram do atentado que um dia viu Albisu deitado sob uma das vigas que transportavam e empurrando com os pés o recipiente bomba para se encaixar no feixe transportadora.
Uma das bandas acima, estava preso, o outro estava livre. Uma labareda laranja e o helicóptero transformou-se em lixo em questão de minutos, foi a impressão amarga o resto do dia. Ele não teve tempo para perceber o que aconteceu.
Cinco anos depois eu conheci um dos irmãos de Albisu, o gémeo. Trabalhou na unidade de tráfego entre Cuba e Angola. Se bem me lembro, era o Chefe de Gabinete. Fiquei impressionado com a conversa, pois manteve o ressentimento mesmo desde os primeiros dias. Aparentemente, alguém que se sentia da mesma maneira que eu tinha detalhes dos eventos.
Albisu irmão sempre professou um carinho muito grande por parte dos membros dos helicópteros e, claro, principalmente pilotos. Eu acredito firmemente que você pode nunca ver, ou fotos, os chefes que ordenaram a invenção que ceifou a vida de Heitor."




Raul Castro de visita ao Peru em 1973.

6ª-
"Em Março de 1976, no sul de Angola semanas antes da chegada de Raúl Castro, os cubanos começaram a colocar todas as pontes e as estradas nos locais estratégicos. Já existia rumores de que vem visitar uma figura importante, talvez ( o Fidel ).
Alguns desses soldados tinham que passar dias sem comida e até um par de soldados foram esquecidos pelos seus superiores, que foram recolhidos uma semana depois que terminou a operação visita. Das FAPLA nenhum soldado fazia parte do dispositivo de protecção.

Tchivemba foi deslocado no 1. Bon. e outras unidades de combate da Margem Sul, mas aparentemente não foi suficiente para a plateia do discurso do General. Cerca de mil homens que estavam em sua regulamentação de armas não conseguiam defender-se ou abrir fogo todas as armas foram desactivadas. Cada fuzil foi lançado a partir do mecanismo de disparo de modo que não podia trabalhar. Os policias foram removidas de suas armas, os lança-foguetes ficaram sem as suas cargas, e assim por diante. Apenas deixou com armas em prontidão para o combate de soldados estacionados nos postos, que foram escolhidos entre os membros do partido e da Liga da Juventude Comunista.
Não sei se alguém já teve a premonição do que iria acontecer com Anwar Sadat em 1981."



Cubanos em Angola.




Cubanos carregando as bombas.




Um dos acampamentos da SWAPO, em Angola.




Cassinga área bombardeada.




Homens, mulheres e crianças todos juntos nas valas.

7ª-
"A batalha de Cassinga a 4 de Maio de 1978 é uma das acções mais controversas da guerra em Angola, nesse dia as SADF levaram a cabo o maior assalto aéreo do conflito sobre a base do PLANO na zona, conhecida como Moscovo por SWAPO.
Existe uma ampla bibliografia sobre o ataque, escrita na sua maioria pelos participantes ou investigadores sul-Africanos,os participantes no combate militares da África do Sul e Rodésia, o governo cubano só se refere ao aspecto moral, referindo os detalhes de uma jornada trágica para o exército de ocupação.

Não há então que insistir no desenvolvimento das acções a partir do bombardeamento de preparação pelos aviões da SADF e o desembarque dos pára-quedistas por volta das 17:50 am.
Para a altura, o chamado PLANO, ou seja, SWAPO, não tinha uma estrutura militar convencional, no entanto é um feito conhecido que tinha duas grandes bases no sul de Angola, radicadas uma em Chetequera, outra em Cassinga de onde partiam as colunas dos guerrilheiros para atacar objectivos na Namíbia, Okavango para os sul-Africanos.
Segundo as datas esta última contava com 3.000 a 4.000 mil civis entre velhos, mulheres e crianças suas próprias famílias."



Cubano faz sepultura.


O Testemunho de um cubano:

8ª-
"Então eu fui mercenário (sem perceber) de Cuba para Angola desde 18 novembro de 1975 a 22 junho de 1976. Sete meses, os mais difíceis e angustiantes da minha vida e agora sinto a sensação que eu usei e eu lutei por uma causa injusta.
Eu vi a foto de Rafael, que anda pelas ruas do centro Havana quase que implorando.
Fomos colegas do mesmo pelotão de sapadores, que chegou na UM Angola, formamos em 7 dias e curiosamente Rafael, Eugene (agora Coronel) e as três vertentes da praça eram os que sabiam algo sobre explosivos e minas o resto eram apenas imitadores de Che e internacionalistas seus épicos.

Que um pequeno grupo de 20 homens retornaram a casa dentro de uma caixa, Leandro Sandrino de Havana do Este, 20 anos de idade.
Rafael sem mãos e sem os olhos, George sem um pé, Carlitos casa sem um pé, Waldimiro, sem um pé, Vitoriana e Pablito com vários estilhaços no corpo pela explosão munições o resto das feridas na alma.
Dói, mas é mais doloroso porque a guerra foi travada pelas ambições, e de um Napoleão egoísta, e um boneco de meia, que os soviéticos usaram a seu gosto.
Serve de experiência para aprender no futuro."



REUNIÃO MILITAR EM CUBA:


9ª-
"Erros e omissões nas listas das vítimas em Angola, publicado em Cuba ou no exterior, mas sempre a partir de fontes oficiais, são tão grandes e as provas evidentes à esquerda na primeira análise séria. Os números de vítimas divulgados pelo governo de Fidel Castro são distorcidos e sofrem um tratamento ainda mais sem escrúpulos.

Não pode ser prorrogado um estudo sério e imparcial, no entanto, você só verá a sua consolidação ao mudar o estado das coisas em Cuba e levados para o arquivo de documentos e provas documentais onde se esconde hoje o sistema. A lista, que será oficialmente assumida, como estava previsto pelo Ministério das Relações Exteriores do Berço, que aparece no monumento na África do Sul, tem grandes diferenças com outras informações publicadas nas listagens parciais na ilha."




O general Harold Ferrer, à esquerda de Fidel Castro.


10ª-"As nossas tropas não sabiam com certeza que era o que tinha acontecido. Ficou claro a presença das tropas sul-Africanas devido aos aviões que voam em cima como sempre. Cassinga fica a apenas 10 km de Techamutete podia ver a aterrissagem de pára-quedistas, mas a defesa anti-aérea, instalada a fim de defender o meu posto com 14 peças, 5 mm. foi mal orientado e dispararam contra alvos que estavam fora de suas respectivas áreas de destruição, atingindo, no pior dos casos as posições na aviação sul-Africana e a sua resposta posterior.

A aviação sul-Africana flush fez várias passagens, o aviso de coluna blindada (cubano) avançando na ordem das colunas, para Cassinga antes de atacar. O chefe da Unidade (General Harold Foster) não tomou quaisquer medidas de protecção, com todas essas precauções, como poderia ter sido implantando cisternas em formação de batalha. Por que no caminho eram os restos mortais de três tanques, coluna, completamente destruído.
Cassinga não se pode recuperar até ao dia seguinte, que foi quando chegaram as nossas tropas.
Sobre o número de soldados que usaram os sul-Africanos não era um retrato exacto. Em nossa opinião, não deveria ter sido mais de uma centena, se levarmos em conta a capacidade de um esquadrão de helicópteros de transporte do tipo "Puma" de altura e temperatura da área em causa."



Funeral em Cuba, dos cubanos mortos em Angola:

"Seis meses após a execução de Ochoa (Dezembro 1989), Castro mudou para a ilha os corpos (alguns) dos cubanos mortos em Angola, em uma cerimônia única chamada "Operação Tributo."
Fim de citação.


Nota: nestes apontamentos existe dados incorrectos sobre os quilómetros de Cassinga à fronteira de Namíbia. A distância de Cassinga à fronteira de Namíbia é de 260 km.

_________________


CRIANÇAS SOLDADOS USADAS PELOS TERRORISTAS.

Crianças soldados, foram demasiadas numa guerra sem escrúpulos.
O Conselho de Segurança das NU mediante a resolução 424, condenou o ataque àquilo que chamou campo de refugiados. E que a Cruz Vermelha anuiu.
A Comissão da Verdade e Reconciliação intaurada na RSA em 1998 concluiu:
Em resumo sumário situa os mortos 150 cubanos, 4 soldados sul-Africanos e mais de 600 baixas da SWAPO, incluindo mulheres e menores de idade eram combatentes do PLANO, o governo cubano não forneceu um dado ou uma cifra oficial para nenhum combate, alguns historiadoes pró-cubanos como Piero Gleijeses, falam de 96 baixa entre mortos e feridos durante décadas na guerra de Angola.

Fotografias que se converteram numa formidável arma de propaganda da SWAPO dizendo que Cassinga era um acampamento de refugiados.
Na Namíbia após a independência foi declarado o "Dia de Cassinga", feito que se converteu como parte do "mito de utopia" da fundação da nação, como aponta o historiador Gary Baines, em 1995, recorda Baines, que o presidente Sam Nujoma
Com as suas versões levaram ao descrédito público dos sul-Africanos, ao dizer sobre Cassinga que era um campo de refugiados.
Quando na realidade era aquartelamento dos guerrilheiros da SWAPO e das suas famílias.
Cassinga pequena povoação construída e voltada para o comércio pelos portugueses, com a saída destes ficou praticamente deserta, ou seja, os poucos negros angolanos que ficaram viviam nos arredores da cidade, e quando esta foi tomada pelos guerrilheiros da SWAPO, eles debandaram.
Os homens guerrilheiros eram poucos, usavam as mulheres e as crianças para a guerrilha.
Através dos tempos, a hipocrisia e a miopia da ONU parece que a estas alturas é sempre incurável, tal como a Cruz Vermelha Internacional. Estiveram por lá, em Angola. Depois dos factos, da guerra. Cassinga não foi a excepção, Angola inteira muito menos. Não viram nada, nada sabem, não podem acusar.


Rogéria Gillemans.

oncontextmenu='return false'>