A"DESCOLONIZAÇÃO"ASSENTOU EM LEI ANÓNIMA AQUANDO DA EXISTÊNCIA DE GOVERNOS PROVISÓRIOS SEM LEGITIMIDADE CONSTITUCIONAL.
O processo da traição:
Este poderia muito adequadamente ser a designação de causa posta em tribunais sobre a (descolonização exemplar).
Talvez mais expressiva do que a da cadeia, será - O JUÍZO DA HISTÓRIA -.
`

¡O GENOCÍDIO DOS BRANCOS NA ÁFRICA DO SUL!

A MINORIA BRANCA DA ÁFRICA DO SUL ESTÁ DESPROTEGIDA!


"O GENOCÍDIO DOS BRANCOS EM SOUTH AFRICA".

3.450 agricultores, brancos, assassinados, 40.000 brancos, vítimas, assassinados com requintes de terrífica crueldade. Não é demais usar e repetir a chamada de atenção sobre esta dita, Organização das Nações Unidas (ONU) é urgente que a ONU trate a sua miopia, congénita, e a sua hipócrisia (interesseira) no racismo dos negros, e a prática de crime no abandono dos brancos a Sul de África.

É urgente alertar o mundo, divulgar e denunciar o genocídio dos brancos na África do Sul.
É urgente que a (ONU) saia da sua inércia, seres humanos estão a ser assassinados às mãos de ogres assassinos e selvagens.
É urgente o envio de forças para proteger os brancos.
É urgente tomar acção para travar os ogres ditadores comunistas-africanos, ferozes assassinos.
Antes que seja tarde.


ÁFRICA, O COMUNISMO NA BESTIALIDADE PERVERSA E RACISTA DOS OGRES, NO GENOCÍDIO DOS BRANCOS!

Não podemos ficar indiferentes a mais este crime de genocídio contra a Humanidade, os brancos a Sul de África, estão a ser assassinados diariamente.
A minoria branca na África do Sul está desprotegida.

Outros testemunhos sobre o genocídio dos brancos na África do Sul, podem ser vistos no link "Outras leituras":
De, Adriana Atuijt, Jornalista Sul-Africana. "Racismo, a realidade da África comunista". Contêm Foto's Trauma.






Monumento em Pietersburg aos agricultores assassinados.



SOLIDARITEIT HELPEND HAND, SOLIDARITY HELPING HAND.

O Sindicato de Comércio e Solidariedade publicou recentemente um relatório anual onde divulga com choque que 1.128 crianças são assassinadas na África do Sul por ano, e centenas de crianças estupradas por mês.
Solidarity trade union recently published a shock report showing that an annual 1,128 small children were murdered in SA each year, and hundreds a month raped.



PRETORIA, VÁRIAS MANIFESTAÇÕES, DESDE O GOVERNO DE MBEKI, CONTRA A VIOLÊNCIA E OS ASSASSINATOS DAS CRIANÇAS. EU POSSO SER A PRÓXIMA!


De ScaredtoLeaveHome, crianças Afrikaans de Pretoria em protesto contra os crimes.




Pretoria, os Protesto contra os crimes que abundam a cada fim de semana na África do Sul, com uma taxa de homicídios por dia de 90 pessoas.








MacDonald Marius e Moolman Wiekus – um homem sangrando implora por ajuda aos ladrões antes de morrer ao lado de seus filhos, artigo de Hilda Fourie. Na Região de Kameeldrift.
MacDonald Marius and Moolman Wiekus - bleeding man begs robbers for help before he dies next to his children, article by Hilda Fourie. Kameeldrift region.



Em Kameeldrift serviço memorial para os residentes Africanos assassinados em 2009.
Kameeldrift memorial service for murdered Afrikaner residents 2009.





Foto da página Afrikaner Publicidade olímpica medalha de ouro de natação, o campeão Ryk Neethling.
A mãe do nadador olímpico, Ryk Neethling, sobrevive a três atacantes armados na sua casa, Pretoria:
o relatório "afrikaners inseguro em public" jornal, a jornalista Beeld Mia Willemse escreve que um dos agressores do sexo masculino tinha agarrado a Sra. Neethling, Deputada Neethling pela garganta enquanto ela fugia pelas escadas para sair da casa e outro disparou um tiro para ela, que continuou correndo e fugiu tendo a bala sido perdida.
A senhora Neethling é uma Deputada.
A mãe medalhista de ouro olímpico nadador, Ryk Neethling, de San-Marié escapou da bala de um atacante, Pretoria na sua casa foi alvo de um gang armado que haviam quebrado o portão eléctrico de segurança para entrar na propriedade.
O seu filho não estava em casa no momento ele é um safári na reserva da vida selvagem. A única coisa que o gang roubou foi um aparelho de TV plasma, deixaram todos os outros objectos de valor dentro da casa Neethling intocados, prova que o objectivo era o de matarem.
A jornalista Willemse escreve que esta foi a quarta vez que a família Neethling foi alvo dos criminosos eles foram assaltados em 2006 e 2007 e a deputada Neethling foi agredida no rosto por um homem quando estava a caminho de visitar a sua filha Elsje Neethling-Blair no Wilgeheuwel Hospital em Roodepoort.
A senhora Neethling foi atacada dentro da sua casa por volta das 16h30 na segunda-feira, 25 mai 2010. Ela estava no andar de cima quando ouviu os cães ladrarem, olhou pela janela e viu três homens suspeitos quebrando o portão elétrico e forçá-lo. " Os homens negros foram estimados entre 25-27 anos de idade.



Willie Pienaar

Investigating officer in murder of Willie Pienaar (21) at Kwaggasrand, Pretoria failed.

A investigação Oficial do assassinato de Willie Pienaar na Kwaggasrand, Pretoria, não conseguiu abrir uma pauta para os dois assassinos em cativeiro - assim, o tribunal libertou-os.
O SAPS oficial da investigação do assassinato de Willie Afrikaner Pienaar, 24 a 10 de Abril de 2010.
Os dois assassinos que foram presos por membros da comunidade local logo após o assassinato em Pretoria -Kwaggasrand. No jornal, Beeld, a jornalista Virginia Keppler relata que a polícia também falhou ao buscar o vídeo-gravação dos eventos em torno do assassinato que foi gravado pelas câmeras de circuito fechado da proprietária de um café em frente da loja, onde Pienaar foi morto a tiros na frente de muitas testemunhas. O jornal publicou fotos do vídeo - que mostra os suspeitos, um armado com um revólver – outro a passear no carro de Pienaar, também mostrou duas crianças a correr - que tinham testemunhado a morte da mesma forma que deixavam o café.






Cães e gatos que morrem depois de serem envenenados. Isto é o que os criminosos fazem na África do Sul antes de atacarem, por isso não há latidos para alertar os proprietários. Eles colocaram veneno de rato na carne ou outros alimentos e atiram-nos por cima das cercas ou muros. Há relatos de que alguns fins de semana morrem cerca de 30 cães envenenados, pouco antes de atacarem a casas de famílias. Estes são sinais de aviso claro de que as famílias devem estar preparados para se defenderem desses ataques armados.



THE PRINCE OF WALES.

Carta do Príncipe Carlos sobre o genocídio dos agricultores.




FAZENDA, ASSASSINATOS, NA ÁFRICA DO SUL.

GENOCÍDIO RACISTA NA ÁFRICA DO SUL.



Stop the Boer genocide! Demonstration in Stockholm.
Manifestação de apoio ao povo Boer na África do Sul, que vêm sofrendo cada vez mais com políticas opressoras anti-brancas nas terras desenvolvidas por eles.
E mais especificamente do genocídio de dezenas de milhares de cidadãos brancos sul-africanos brutalmente assassinados nas últimas décadas, por hordas racistas de negros motivados pelo governo.
A manifestação foi realizada dias após o assassinato de Eugène Terre'Blanche, líder do AWB (partido de extrema direita na AS). Morto por dois empregados negros após uma suposta discussão sobre salário.

EM TELAVIV.
Um protesto espetacular liderado pelo Sr. Avigdor Eskin, um apoiante Praag, teve lugar ontem, em TelAviv, Israel no fim da tarde. Um grupo de manifestantes reuniram-se junto à fonte na praça Dizengoff de vestiduras brancas para mostrar a sua oposição contra o genocídio e a violência cometida atualmente contra a nação africânder na África do Sul. Eles também carregavam uma bandeira branca salpicada de vermelho, simbolizando o sangue.
Segundo o Sr. Eskin nestes massacres e atrocidades que são cometidos contra Afrikaners, há um silêncio sepulcral. O sangue flui livremente na África do Sul, mas ninguém está a tomar qualquer aviso prévio. De acordo com Eskin de 190.000 pessoas já foram assassinadas na África do Sul, dos quais um terço eram africânderes.
Eskin também enfatizou que bons amigos africânderes tinham sido para os judeus e Israel durante o último século ou mais. Ele apelou aos israelitas para vir em seu auxílio em sua hora de necessidade.
Falando em Johannesburgo, Dr. Roodt de Praag disse: "Este protesto é o primeiro de uma série de acções a serem lançadas este ano pela Praag contra o genocídio Afrikaner nossos amigos de todo o mundo, em Israel, Flandres, Holanda, Inglaterra, França, a Rússia e os EUA, para citar alguns, estão prontos para iniciar uma campanha internacional contra o extermínio de crianças afrikaners, os idosos e os agricultores. Também estamos planejando os pedidos judiciais, tanto na África do Sul e no exterior, para parar de uma vez por todos os crimes contra a humanidade, sendo perpetradas contra nós na África do Sul ".
Dr. Roodt segue para os EUA onde se reunirá com os dois membros do Senado norte-americano carregado com a prevenção do genocídio, e também vai entregar um documento em Charlotte, Carolina do Norte e realizar entrevistas com emissoras de rádio e outros meios de comunicação no território sul da América.



STELLENBOSH UNIVERSITY.


FOGO POSTO NA UNIVERSIDADE DE STELLENBOSH EM DEZEMBRO 2010.





Imagem chocante.
Pretoria - Acampamento Residente, Sarie Rossouw, está lentamente a morrer de fome.
A imagem da morte faz parte do "Relatório de SA, para o "presidente" Jacob Zuma, sobre os brancos pobres, um grave problema actualmente na África do Sul", suplicando-lhe ao ogre Zuma a concessão de benefícios pelo governo para Afrikaners pobres, e dar-lhes acesso aos alimentos.



PELA VONTADE, CORAGEM, E A TENACIDADE DOS BRANCOS, 
A SUL DE ÁFRICA NASCEU UMA NAÇÃO!


AT THY WILL SOUTH AFRICA: A REPUBLIC IS BORN!

HENDRIK VERWOERD-PRIMEIRO MINISTRO DA ÁFRICA DO SUL, 2 SETEMBRO 1958-6 DE SETEMBRO 1966.




A EMIGRAÇÃO DOS BRANCOS.




"O FLAGELO DA ÁFRICA DO SUL". De, RW Johnson.


RW Johnson nascido em 1943, RW Johnson é descrito como "um garoto da classe trabalhadora" que cresceu "em uma casa com vista para o rio Mersey Docks". Educado em Natal e na Universidade de Oxford, ele foi durante 26 anos um colega da Magdalen College, Oxford. Ele tornou-se conhecido como um analista do Sul de Africa, história e política no e depois do apartheid, recentemente, como um crítico severo do governo do ANC. Ele viveu na África do Sul desde o final dos anos 1990, actuando como jornalista, e como director (até 2001) de Helen Suzman Foundation.

Poucas pessoas são mais bem qualificadas para escrever sobre o pós-apartheid da África do Sul que RW Johnson. Um Rhodes Scholar e professor de Oxford, Johnson é o autor de How Long Will Survive África do Sul? Um dos livros seminais político dos anos 1970.
Ele também pode reivindicar ser uma das poucas pessoas vivas, hoje, que assistiram a palestras proferidas por Verwoerd e por Mandela, antes de ser preso. Ele acompanhou cada segundo do governo do ANC desde 1994, que estabelece agora como um relatório Insight estilo poderoso de investigação neste novo livro.
Ele é um dos da natureza (ou, certamente, da África do Sul) pessimistas grande, um homem que parecia muito de perto os eventos modernos e pouco viu a agradá-lo.
Para Johnson tudo (literalmente tudo) é escória, decepção, traição e corrupção.
Nunca houve um milagre - Mandela - o "verdadeiro milagre", diz ele, era como Frederik Willem de Klerk "levou a minoria branca para entregar o poder pacificamente".
Mandela, para Johnson, era pouco mais que um peão carismático para a sinistra marxista-comunista que tinham oi-jacked do ANC no exílio e que estavam apenas interessados em meter o seu focinho no cocho.
Johnson em sua carreira como escritor e académico passou sem problemas de militante de esquerda, para o sábio da direita. Ele rejeitou o ANC para o IFP, partido do chefe Buthelezi Zulu, e como os anos se passaram, por isso a sua aversão e desprezo para o ANC tem aumentado. Mesmo antes de Mandela ser eleito presidente, ele argumenta:
- "Ele foi empurrado de lado pelos stalinistas de Moscovo, treinado, que não lhe permitiu a ele nenhum poder real no novo governo. Todas as principais nomeações foram feitas pelo partido e as políticas foram decididas por uma quadrilha nos traduzidos discursos que Mandela obedientemente lia como um fantoche".
O verdadeiro poder por trás e, mais tarde, o trono, foi o (agora) ex-presidente Thabo Mbeki, que na avaliação de Johnson vai ser o Stalin numa boa corrida para o seu lugar na história. Mugabe, que interpreta o seu papel, é um vilão menor em comparação.
Sprays Johnson um veneno bastante generoso em toda a ANC, mas a maior parte é reservada para Mbeki, a quem Johnson tão obcecado por raça e racismo, a violência anti-branco e paranóica - entre inúmeras outras falhas.
A sua contribuição na visão de Johnson foi pior do que desastrosas, particularmente em Zimbabwe - Aids, mas também em muitas outras questões. Cercou-se por amigos incompetentes e bajuladores, incluindo a terrível Manto Tshabalala-Msimang, que fez da África do Sul um mundo de riso com sua política de Aids, e mal no país em todos os níveis, fazendo florescer o crime e a corrupção, e a perícia Branca insubstituível sair do país, o sistema de saúde público derrubado, e as infra-estruturas de gerações de energia esgotarem. Um país vibrante potencialmente e incrivelmente rico foi levado à beira da ruína. E isso tem sido feito de forma secreta e sinistra, movido por uma ideologia racista torcida e marxista.
É o caso Johnson para a acusação que argumenta que com tal convicção, a lógica e a realidade que se começa a pensar que ele está escrevendo sobre um país diferente.
A verdadeira África do Sul tem um pouco de todas estas coisas, tem cometido erros e tomar caminhos errados, e tem pessoas corruptas, más e racistas.
Nem foi Thabo Mbeki um ogre marxista, determinado a reconstruir a URSS em África.
Johnson é um homem sério e escreveu um livro sério, que poderia ter feito uma contribuição importante para o debate que agora tem de ter lugar ao governo de Jacob Zuma, chefe tribal, e racista . Infelizmente, não vai ser, e que é uma pena.
A sua avaliação sobre Mandela contém elementos de verdade - o velho tem-se manifestado contra a sua canonização implausível -, mas diz com condescendência:
- "É difícil culpar um homem que tinha sofrido e já estava velho e frágil".
"Mas ele tinha feito mau uso de sua imensa autoridade. Ele não tinha conseguido captar a tarefa do governo e presidido muitas oportunidades perdidas.
O pior de tudo, porém, foi que ele resolveu a sucessão em favor de Mbeki, um passo decisivo mas que ele estava claramente com algumas dúvidas".
O livro é carregado de insultos semelhantes olhando de figuras do ANC.
Entre elas, Johnson argumenta, eles criaram uma sociedade em crise onde "as coisas se quebram", no sentido apocalíptico Yeatsian, nas instituições da África do Sul, incluindo polícias, militares e do serviço público e, sobretudo, o sistema de educação e saúde, têm sido prejudicada e são muito piores para os negros do que eram no tempo do apartheid. Black Economic Empowerment, destina-se a patrocinar uma nova riqueza possuir negros de classe média, em vez disso resultou no enriquecimento obsceno de alguns poucos, tudo isso vai acabar mal, é que as coisas têm a cada ano piorado desde que a ANC está no poder e não pararam de descer.
O êxodo dos profissionais Brancos começou durante os anos da violenta transição, agora alimentada pela alta dos índices de criminalidade, o ANC White está a roubar o país dos seus trabalhadores qualificados e profissionais.
Nos primeiros nove meses de 1996 8.000 emigraram da África do Sul, incluindo 2.200 profissionais e gestores, os Hospitais de todo o país enfrentam uma grave carência de pessoal médico.
Além disso, os brancos que permanecem são o abandono do processo político. Um terço são agora classificados como "não sabe, não vai votar".
"Os Brancos isolaram-se e retiraram-se da política".
O ANC detém 252 assentos parlamentares contra uma oposição combinada de 148. Enquanto os Brancos abandonam aterrorizados os partidos.
O ogre Jacob Zumas incendeia o ódio contra os Brancos instiga o racismo e o genocídio dos Brancos.

O mundo ocidental está corroído, infestado visceralmente por podridão.
De uma Europa superior, e civilizada, a uma Europa doente e corrompida que não reage drasticamente aos genocídios dos brancos (injustificáveis, inadmissíveis, e condenáveis) praticados por povos primitivos, criminosos e tribais, com a cumplicidade e a passividade das Organizações Internacionais.
Toda esta violência de racismo, horror e genocídio que está a vitimar os brancos da África do Sul, viveram-na os brancos de Angola, e até hoje aguardam por Justiça.
Esperemos que desta vez, se faça justiça aos Brancos da África Sul. Com a mesma humanidade, apregoada, divulgada e chorada, pelos que morrem por fome em África, que haja a humanidade em se travar rapidamente este bárbaro genocídio dos brancos, e sejam aplicadas as condenas aos ogres.



Rogéria Gillemans.




AFRICA,THE DREAM OF COMMUNIST KILLERS!

O cavalgar apocalíptico do comunismo soviético em África, através do cubano. Fragilizar, desmoralizar os povos pelo terror, pela fome, pelas guerras e pela morte, para usurpação das riquezas de África, é a sentença do comunismo.

Nelson Mandela, de terrorista assassino a "nobel da paz", nunca renunciou à sua violência:
Mandela teve "assinados" actos de terrorismo enquanto esteve preso - condenado por outros actos de terrorismo após o julgamento Rivonia.

O falecido Presidente da África do Sul, PW Botha, disse sobre Mandela em 1985:
- "ele nunca poderia ser um homem livre, desde que ele foi o responsável pelos massacres que assinou mesmo quando esteve preso".
Pediu a Nelson Mandela para:
- "publicamente renunciar à violência". Mandela recusou, foi por isso que Mandela permaneceu na prisão até o apaziguador Presidente, FW de Klerk, libertá-lo incondicionalmente.
Nelson Mandela nunca renunciou publicamente à violência.
Quando Mandela foi preso no seu esconderijo Rivonia fazenda perto de Joanesburgo, as munições abaixo e equipamentos de bombas de fabrico soviético foram apreendidas e com ele os seus companheiros.
Ler "Rivonia" http://www.anc.org.za/ancdocs/history/rivonia.html
"julgamentos transcritos com todos os seus detalhes, começando com seu discurso de abertura:
- "Eu estou preparado para morrer": disse Mandela...
Obviamente ele não se importava por todos os civis inocentes torturados e cujos corpos mutilados, como podem ser vistos abaixo)

•210 mil granadas de mão:
•48.000 minas anti-pessoal:
•1500 dispositivos de tempo:
•144 toneladas de nitrato de amónio:
•21,6 toneladas de pó de alumínio:
•1 tonelada de pó preto:

ALGUNS DOS MUITOS CRIMES DE ASSASSINATOS E DE TERRORISMO DA AUTORIA DE NELSON MANDELA, QUE A HIPÓCRISIA DO MUNDO PREMIOU COM O PRÉMIO NOBEL DA PAZ.





Turistas cuidado com os criminosos perigosos na África do Sul.
É muito perigoso para os turistas na África do Sul - até mesmo os moradores não podem lidar com os gang's armados que são muitos.






MAIO DE 2008, OS SLOGANS NAS CASAS A SUL DE CAPE TOWN.





NOTHING LIKE BEING AMONG ITS, IS ANOTHER THING!








Revolution = Betrayal in South Africa - Crime e Perfídia na África do Sul.




TRIBUNAL POR GENOCÍDIO DOS BRANCOS NA ÁFRICA DO SUL.



O PRAAG CONVIDA IMPRENSA PARA O TRIBUNAL POR GENOCÍDIO.

TERÇA-FEIRA 11 DE JANEIRO DE 2011 14:11 PRAAG
O Praag convida imprensa para o tribunal por genocídio.
O Praag convida a imprensa amanhã às 8.30 para 9,00 para assistir à entrega de uma carta ao juiz Halgryn no Tribunal de Magistrados Randburg, em que a aplicação do direito internacional, em conjugação com a Lei 27 de 2002 Sul Africana é exigido. Esta lei incorporou o Estatuto de Roma na legislação Sul Africana e, portanto, tanto o genocídio como o de incitação ao genocídio são crimes puníveis na África do Sul, como são no resto do mundo.

Local: Sala G057, Randburg Tribunal Magistratre, 18 Avenida Pastor, B Kensington, Randburg.
Horário: 8,30 para 9,00.

O Pro-Afrikaans Action Group, que assistiu à sessão do Tribunal em 29 de Novembro, em Joanesburgo, onde o ANC estava pedindo para deixar de apelar a proibição da música "Shoot the boers", como querer chamar a atenção do juiz, com respeito à ausência de quaisquer outros argumentos no tribunal em Direito Internacional, bem como a Lei 27 de 2002. A organização acredita que este elemento é de primordial importância para o juiz a emitir um veredicto justo.

Após a entrega da carta, o Dr. Dan Roodt do Praag vai para Pretória, para entregar uma carta semelhante ao Ministério Público da Autoridade Nacional em que esse organismo é solicitado a processar o Sr. Julius Malema e outros funcionários do ANC culpado de incitação ao genocídio africânderes.

"É uma característica de genocídio que está em primeiro lugar, passar em silêncio ou negado", disse Dr. Roodt."Em segundo lugar, o incitamento sempre acontece. Ambos os elementos, o silêncio e a incitação, já estão presentes na África do Sul."

A Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, é inequívoca, os estados:

Artigo 3º.
Os actos seguintes serão punidos:
(A) o genocídio;
(B) A conspiração para cometer genocídio;
(C) a incitação direta e pública a cometer genocídio;
(D) A tentativa de genocídio;
(E) A cumplicidade no genocídio.
Artigo 4º.
Pessoas que tenham cometido genocídio ou qualquer dos outros actos enumerados no artigo 3º- serão punidas, quer sejam governantes, funcionários públicos ou particulares."


O número de brancos assassinados até Dezembro de 2010 eram ( 43.450 ).
3.450 agricultores, brancos, e outras 40.000 vítimas, brancos.
Estes números não são fixos, diariamente são assassinados brancos de todas as idades. Novos dados, (3.776) agricultores, brancos, assassinados desde 1994 até 21 de Janeiro de 2011, aumentaram também os números das outras vítimas.




A FIFA COMEMOROU O GENOCÍDIO.





O MUNDO OCIDENTAL PERMITINDO QUE A DITADURA DE MUGABE, MANDELA, JACOB ZUMA, THABO MBEKI, E OUTROS, A CRIAR RAÍZES, ACEITARAM UMA DERROTA PARA A CIVILIZAÇÃO E PARA A HUMANIDADE!



¡OS ACONTECIMENTOS DE ÁFRICA É A DERROTA DA HUMANIDADE!



Rogéria Gillemans.

oncontextmenu='return false'>