A"DESCOLONIZAÇÃO"ASSENTOU EM LEI ANÓNIMA AQUANDO DA EXISTÊNCIA DE GOVERNOS PROVISÓRIOS SEM LEGITIMIDADE CONSTITUCIONAL.
O processo da traição:
Este poderia muito adequadamente ser a designação de causa posta em tribunais sobre a (descolonização exemplar).
Talvez mais expressiva do que a da cadeia, será - O JUÍZO DA HISTÓRIA -.
`

MÁRIO SOARES - OU A AMÁLGAMA DE UM BASTARDO!


OS CRIMES:
ALTA TRAIÇÃO; INSTIGAÇÃO AO GENOCÍDIO DOS PORTUGUESES BRANCOS EM ANGOLA; VENDA E DESTRUIÇÃO DO PATRIMÓNIO DE PORTUGAL; OFERTA DOS TERRITÓRIOS DE PORTUGAL PELA OBTENÇÃO DE LUCROS; PREVARICAÇÃO; CORRUPÇÃO; CONTRABANDO E LAVAGEM DE DINHEIRO SANGUE /CIA; ABUSO DO PODER; DESFALQUE DOS COFRES DO ESTADO; ROUBO E TRÁFICO DAS RIQUEZAS DE ANGOLA "DIAMANTES E MARFIM"; ENRIQUECIMENTO ILÍCITO:

Fotos dos Arquivos da Polícia, data de 1962.
 O Crime fez sempre parte da índole deste infame Sociopata desprovido de consciência, de
ética moral e humana.


                                                     IDEÁRIO DE UM CRIMINOSO:
                                Lisboa 1975, cartazes de Karl Marx na ideologia ao crime,
                                   na sede do PS no Largo do Rato. É caso para se dizer;
                              Nunca um nome de local seria tão adequado a uma realidade.





O MAIOR IMPOSTOR POLÍTICO 
" talvez nado e criado em Portugal"

                                                 Mário Soares - Do "Mito" à Realidade: 
Mário Soares, «imposto» ao PS pelo seu secretário-geral e proclamado pelo partido como seu representante efectivo e único no certame eleitoral de Janeiro, próximo, com largas semanas ou meses de antecedência em relação à sua declaração formal de que pretendia ou aceitava candidatar-se, depois de uma «mise-en-sene» ridiculamente empolada e prolongada, com a qual pretendeu, infantilmente - porque aos oitenta começa o inelutável regresso do adulto à «segunda meninice» iludir os portugueses, fazendo-lhes crer que só ao cabo de longas meditações, dolorosas dúvidas e inúmeras consultas tomaria (ou não) a «heróica decisão» de oferecer o corpo alquebrado e a alma inquieta à imolação final no altar da Pátria - que ninguém prejudicou e traiu tantas vezes como ele; 

Mário Soares, o maior impostor político, talvez nado e criado em Portugal, quase sempre a saque de barões, burgueses, militares, salteadores e governantes; Mário Soares, «o português que mais ganhou com a revolução de Abril», na opinião expressa por Rumsfeld, Secretário de Defesa dos Estados Unidos, e também, no campo político, admito eu, antes e depois do golpe; Mário Soares, que é, acima de tudo, o «fenómeno teratológico» de duas grandes frustrações: a de não ter conseguido Oliveira Salazar se dignasse ter-lhe mandar-lhe dizer por um contínuo que já dera pela sua existência mas nem olhara para a sua cara, e (a segunda, algo semelhante à primeira), quando o outro ídolo da época, Álvaro Cunhal, o tratou coma mesma indiferença e desprezo, recusando-lhe um lugar de destaque na sua organização, não obstante o «menino-prodígio se haver inscrito nela». 

Mário Soares, que toda a vida sonhou com a glória de participar na destituição do «tirano de Santa Comba», ou na sua eliminação física, mas deixou-o fugir-lhe das mãos (das dele e dos demais comparsas, tão canhestros como ele) para um sítio onde nunca poderão alcançá-lo, a terceira grande frustração, geradora de novos ódios, rancores «perseguições, agora contra tudo o que «o outro» amara, prestigiara e engrandecera, especialmente a Pátria; Mário Soares, porventura o político português que mais amigos e camaradas traiu, como único e ruim propósito de conquistar para si próprio os lugares e os poderes que almejava, como aconteceu com Salgado Zenha, Sousa Tavares, Rui Mateus e, agora mesmo, Manuel Alegre a quem interesse mais detalhada lista das vítimas da insaciável avidez política do ex-PR, recomendamos a leitura de «Acuso» e «Contos Proibidos», respectivamente, de Henrique Cerqueira e Rui Mateus. 

Apenas como lamiré, ou como aperitivo, transcrevemos, do primeiro as seguintes frases: «Á carreira política do sr. Soares esta cheia de sacanices» e «o comportamento daquela polícia (a PIDE, de má memória, obviamente, esclarece o autor) é, apesar de tudo, bem mais decente que o dele», (pag. 197 e 198, «Editorial Intervenção»). E basta de citações. Que fique só o cheirinho... a enfim e em suma, a merda de gato mal tapada. Mário Soares, enfim e em suma, para encurtar razões, que tem a «coragem» de se apresentar ao País, numa cerimónia participada por algumas centenas de convidados especiais e de uma fidelidade a toda a prova (só os microfones, que por duas ou três vezes se negaram a transmitir a voz do «festejado», é que não. 
Não andará por ali sabotagem ou cabala?), como o «candidato da união nacional e o futuro «Presidente de todos os portugueses», será capaz de imaginar a enormidade das distâncias que o PS e ele próprio cavaram e continuam a cavar, todos os dias, entre os que tiverem a dita ou a desgraça de nascer e viver neste pais? 

Alfredo Farinha, Jornalista.
Do Jornal, O DIABO - 13 de Dezembro de 2005.
 Oswald Le Winter, ex-agente da CIA na Europa, garante a "O DIABO".


                                              Rogéria Gillemans



"SOARES É UM OPORTUNISTA"
De, António Azevedo, irmão do chefe da Casa Militar da Presidência da República.




INSTIGAÇÃO AO "GENOCÍDIO" DOS PORTUGUESES BRANCOS EM ANGOLA:

 - Mário Soares em entrevista ao DER SPIEGEL-Nr.34/1974-
,,Se necessário atiraremos sobre os colonos brancos

DER SPIEGEL Nr. 34/1974 
Pela Gravidade no Crime desta afirmação, a notar que no índice do DER SPIEGEL colocaram o ponto de interrogação na frase  "Notfalls auf weiße Siedler Schießen? S, 60
  "Se necessário atirar sobre os colonos Brancos?“ S, 60 - S, de Soares.



 DER SPIEGEL Nr. 34/1974
* "Se necessário atiraremos sobre os colonos Brancos?
 Der portugiesische Außenminister Mário Soares über die Dekolonisierung in Afrika


Entrevista completa, em português, no Blog "LONGE É A LUA".

(Esta entrevista ao DER SPIEGEL decorreu aquando da existência de governos provisórios sem "Legitimidade Constitucional" na qual este "indivíduo" considerava-se Ministro dos Negócios Estrangeiros proclamado pelo grupelho de facínoras do qual ele era parte integrante)





 EM ENTREVISTA AO "O ESTADO DE S. PAULO", JORNAL DO BRASIL:
AFIRMOU QUE OS PORTUGUESES DO ULTRAMAR FOSSEM ATIRADOS AOS TUBARÕES.


MÁRIO SOARES DESEJOU QUE OS PORTUGUESES DO ULTRAMAR FOSSEM ATIRADOS AOS TUBARÕES

Liquidação moral de um homem é o menos que se poderá dizer do documento que publicamos na página 17 deste edição de A RUA. 
Trata-se de uma crónica vinda a lume em um dos mais categorizados jornais brasileiros, “O Estado de S. Paulo”, de autoria do seu correspondente em Lisboa, Santana Mota, na qual se revela que em 1973, durante uma visita ao Brasil, Mário Soares  afirmou publicamente haver só uma solução para o destino dos portugueses brancos ultramarinos:   atirá-los aos tubarões.
Custa a crer, mesmo conhecendo-se, como se conhece, o baixo estofo e a aterradora falta de escrúpulos que caracterizam o secretário geral do PS… Custa a crer  mas ainda mais difícil é supor que um jornalista com a probidade de Santana Mota e um jornal com o prestígio de “O Estado de S. Paulo” façam semelhante revelação sem a terem devidamente fundamentada. 
Daí, e até prova em contrário, chegamos à conclusão de que o nome de Mário Soares pode e deve estar à frente na lista  dos Costa Gomes, dos Cunhais, dos Otelos, dos Gonçalves, dos Crespos, dos Rosas Coutinhos e de toda esta galeria de criminosos, duplamente réus pela traição que cometeram contra a Pátria e pela sangueira e desgraça em que lançaram centenas de milhar de portugueses. 

Se não é verdade, Mário Soares que o prove.

Se é verdade, que o País se liberte sem demora da vergonha de ter um como Primeiro Ministro alguém que parece ser, afinal, apenas um sádico. Um sádico sem a menor réstea de humanitarismo ou de vergonha. 
IN– A RUA– 2-6 -77


 (O Roubo e o Tráfico das riquezas de Angola torna inequívoca a "Instigação ao Genocídio dos portugueses brancos em Angola").


 Rogéria Gillemans





 MÁRIO SOARES, CONTRABANDO E LAVAGEM DE DINHEIRO DA CIA, 
PARA COMPRAR O PODER:
       Frank Carlucci                   Mário Soares                          Henry Kissinger  

Essa mesma CIA que contrata e compra a pior escória de canalhas que vegetam pelo mundo, que fazem do crime uma forma de estar na vida, facilitando o trabalho sujo da CIA e o contrabando e lavagem do dinheiro sangue.
Essa mesma CIA (para a qual a Declaração dos Direitos Humanos são meramente formalista, estática e monocultural) que tortura, mata, e retalha os corpos das suas vítimas para as fazer desaparecer, muitas delas inocentes dos crimes que "ardilosamente" lhes são imputados.
A mesma CIA que conivente com Eleanor Roosevelt, mulher de Franklin Roosevelt "o paralítico de Yalta", pagou em dólares a Holden Roberto os massacres de 15 de Março de 1961 no norte de Angola, massacres esses, telecomandados dos EUA.
A mesma CIA que tudo indica estar por detrás do atentado ao avião Cessna que vitimou o Primeiro Ministro, Francisco Sá Carneiro, a sua mulher Snu Abecassis, o ministro da Defesa, Adelino Amaro da Costa, António Patrício Gouveia chefe de gabinete do primeiro-ministro, e os dois pilotos do aparelho, na noite de 4 de Dezembro de 1980, quando viajavam de Lisboa para o Porto a fim de participarem num comício, estavam a bordo do aparelho e tiveram morte imediata.
(Francisco Sá Carneiro era adverso à ingerência de Frank Carlucci na política e soberania de Portugal, e recusava enfeudamento aos EUA).
A mesma CIA que tem espalhado o terror e a morte pelo mundo, que fabricou o Al-Qaeda e seus sanguinários assassinos, e nos tempos mais recentes CIA-Mossad fabricaram o ISIS e seus sanguinários assassinos.  


 Heinz Alfred Kissinger ou, Henry Kissinger 
foi um dos piores carrascos da diplomacia dos EUA, acusado de ter cometido Crimes de Guerra durante sua longa estadia no governo; como dar luz verde para a invasão por parte da Indonésia a Timor (1975) , facilitar os crimes comunistas a sul de Africa, golpes de estado no Chile  e no Uruguai (1973), e acusado de usar  por diversas vezes de uma política tortuosa, em que parecia jogar com um "pau de dois bicos";
Veja Christopher Hitchens no livro "The Trial of Henry Kissinger",  e o analista Daniel Ellsberg, no livro "Secrets". Apesar de essas alegações ainda não terem sido provadas em uma corte de Justiça, (enquanto a humanidade aguarda por essa Corte de Justiça) considera-se perigoso para Kissinger entrar em diversos países da Europa e da América do Sul.



 MÁRIO SOARES, CONTRABANDO DE DINHEIRO SANGUE/CIA:

Na VPRO, uma emissora de televisão holandesa, a 12 de Maio de 2013 passou uma reportagem onde desenha o tráfico desse dinheiro para Mário Soares, com origem na CIA, e na Máfia da China sobre Macau.
A VPRO é uma Emissora holandesa, com alto nível de audiência, foi Fundada a 29 de Maio de 1926. Liberal-protestante (originalmente), é um portador pioneiro, inovador, de uma forma muito pessoal, de programas liberais. Com uma vasta equipa de competentes profissionais.
Transmitida no (s) Canal (s) de Televisão NPO 1, 2, 3
Estação (s) Radio, Radio 1 NPO, 3FM NPO, NPO Radio 4, Radio 5 NPO, NPO Radio 6.
O nome V.P.R.O. foi modificada em VPRO para indicar que o significado original das letras foi finalmente lançado. O nome registrado é agora Broadcasting Company VPRO.

Entrada da NPO, onde a sua associada, VPRO, transmite as reportagens.

Andere Tijden o responsável pelo documentário na VPRO, enviou um repórter a Lisboa para entrevistar o homem que recebeu dinheiro negro, ilegal, Mário Soares, para comprar o poder, à pergunta do repórter sobre esse contrabando de dinheiro, respondeu:
                     "se agora querem dizer que era dinheiro ilegal, que digam o que quiserem".

 (Hoje, tal como Ontem, os criminosos e seus actos crime têm a mesma qualificação e, têm o mesmo significado).


A transmissão da VPRO avivou memórias, e informou a nova geração sobre esta associação de malfeitores CIA/Mário Soares no crime de contrabando de dinheiro, envolvendo políticos da Alemanha "Willy Brandt", e "Harry Jacob van den Bergh" da Holanda que abandeou-se a esta gente de má nota.
O Povo Holandês na sua soberania é absoluto, os seus políticos devem-lhe "credibilidade, honestidade, transparência, lealdade, eficiência, o respeito à dignidade, à Nação, e a obediência e respeito às Leis" dentro destes valores, não perdoam traidores porque "os assuntos do Estado é o povo, e o povo é o Estado", razão pelas quais este crime do contrabando de dinheiro sangue/CIA para o corrupto Mário Soares fez clamor na Holanda onde ele é considerado "Persona Non Grata", em país evoluído onde o civismo e o respeito são "leis" e a soberania do povo é "um facto" e, a honra da Nação como a integridade das suas instituições estão acima de tudo, estes crimes não prescrevem, e existem alguns ex-políticos do PvdA que para limparem a sua honra estão prontos a testemunharem. Dentro destes valores e, mais uma vez, a reacção nos países do norte da Europa contra este crime, em especial na Holanda, não se fez esperar na Imprensa, no Facebook, Sites, Blogs, etc... onde os holandeses não pouparam fortes críticas, dando origem a uma nova campanha contra esses ex-políticos do PvdA. 

No ano 1975, Harry Jacob van den Bergh o correio do dinheiro sangue/CIA, fazia parte do grupo parlamentar do PvdA, quando este crime se tornou público e o escândalo rebentou, ele foi obrigado a abandonar o Parlamento, após pedido de desculpas ao Parlamento e ao povo holandês, porque ele havia caído em descrédito, e foi titulado pelos holandeses de “Oud-PvdA-Gangster-politicus”, “Velho-PvdA-Gangster-Político”, e o PvdA (Partido Trabalhista, da Esquerda) holandês, foi estigmatizado, por ter tido entre os seus homens quem se prestasse a colaborar com este crime de contrabando da CIA para o corrupto português Mário Soares. 
De entre a muita informação que correu nos meios radiofónicos, televisivos e nas publicações periódicas da Holanda como TELEGRAAF BINNENLAND; DE VOLKSKRANT entre os jornais mais importantes, e muitos outros jornais Holandeses sobre este crime, descrevem-no assim:



 CONTRABANDO DE DINHEIRO CIA E MARIO SOARES:
Na Holanda foi comentado assim:

 "Harry van den Bergh no contrabando de dinheiro da CIA para português camarada comprar o poder, a caridade pode encontrar simpatizantes estrangeiros. E Van den Bergh foi o correio deste trabalho perigoso, sujo e ilegal". O ex-político trabalhista Harry J. van den Bergh com "desconhecimento" em 1975 foi agente da CIA para contrabandear dinheiro ilegal para Mario Soares. A esquerda gosta de dinheiro, de preferência dinheiro de sangue e da trituração. 

Harry van den Bergh era secretário internacional do Partido Trabalhista (PvdA). Através de um colaborador próximo de Willy Brandt, foi abordado para acção de apoio. Ele "pensou" que foi contratado por Willy Brandt, líder do SPD alemão, mas na realidade, o dinheiro veio de os EUA. Van den Bergh encontra o programador e ouve supostamente a primeiro intromissão norte-americana, "Eu já sei onde você quer ir. "Ele courier, Kissinger. Ele "agente" da CIA. Essa mesma CIA que um ano antes, derrubou, e alguns anos depois matou, o socialista/marxista chileno Salvador Allende.

Willy Brandt não devia permanecer no serviço de bordo. É uma tarefa perigosa e ilegal e criminosa, que é contrária à Lei Internacional. Mas para a caridade pode encontrar um gangster-estrangeiro disposto a tudo, e Van den Bergh do PvdA foi o mensageiro preparado. Colocou o dinheiro cerca de quatro milhões de dólares em uma subsidiária do Banco Holandês, em Amsterdam, na qual «por quatro ou seis vezes» levantava as notas, transportando esse dinheiro, clandestinamente, nas «viagens» realizadas para o efeito a Lisboa, sendo esperado no aeroporto e encaminhado para o Hotel Ritz onde fazia a entrega das maletas com o dinheiro.

Harry Jacob van den Bergh antes do primeiro voo para Portugal pede segurança ao primeiro-ministro holandês, Joop den Uyl, e ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Max van der Stoel, genuinamente informado. Joop den Uyl e Max van der Stoel, ambos do PvdA, tranquilizaram-no, mas oficialmente, não sabem nada, é claro. Esse envolvimento é contrário à lei Internacional. Até mesmo para um diplomático é um estatuto criminal por correio de dinheiro ilegal. 

Arthur Hartmann (secretário de Estado adjunto para os Assuntos Europeus e Canadenses) então secretário de Estado de Henry Kissinger divulgou que o dinheiro era da CIA:
Harry Jacob van den Bergh na entrevista à VPRO, a 12 de Maio de 2013, sobre a divulgação de Arthur Hartman, respondeu: "Se era dinheiro da CIA, no momento desconhecia a sua proveniência, se algumas pessoas pensam agora que eu era um agente da CIA, não é o caso." 
Na realidade, ele sabia exactamente de onde veio o dinheiro sangue, mas não se atreve a denunciar, sob pena de estatuto diplomático criminal por correio de contrabando de dinheiro ilegal; sob pena de perda de subsídio, e perda de concessão da actividade que desempenha."



Mario Soares à interrogação do repórter da VPRO sobre o contrabando do dinheiro CIA:
  "se agora querem dizer que era dinheiro ilegal, que digam o que quiserem".
Foto durante a entrevista para a VPRO.




Harry Jacob van den Bergh,
 "eu desconhecia a  proveniência desse dinheiro, eu não era agente da CIA, não sabia de nada".
Foto durante a entrevista para a VPRO.


Arthur Hartmann secretário de Estado de Henry Kissinger em 1975, 
sobre a origem desse dinheiro afirmou: "o dinheiro era da CIA".
Foto durante a entrevista para a VPRO.


Hans–Eberhard Dingels,
 chefe do departamento internacional do SPD em 1995,
"apenas sei que Willy Brandt queria ajudar o seu camarada português, eu desconhecia a proveniência desse dinheiro, não sabia de nada".   Foto durante a entrevista para a VPRO,
            (Faleceu a 8 de Março de 2014, dez meses após a transmissão desta reportagem)



                                                                     HOLANDA, 1975:
A 31 de Junho de 1975 viajou à Holanda para formalizar contactos sobre o contrabando de dinheiro da CIA.
1975, foto do fotógrafo Alemão Volker Hinz, aquando o trato sobre o contrabando de dinheiro.
Se um fotógrafo é capaz de captar a "índole" de um indivíduo desprezível, sem dúvida, alguma, que o autor desta foto é um excelente profissional. 


                                             Harry Jacob van den Bergh - Willy Brandt.



Holanda, 31 de  Junho de 1975, no Aeroporto de Schiphol. 
Lado esquerdo, Ed Van Thijn, à época, líder do PvdA (Partido Trabalhista) holandês. 
Ao centro, Mário Soares, o corrupto do contrabando da CIA.  
Lado direito,  Harry Jacob van den Bergh, à época, secretário do PvdA. 



Holanda,  Junho de 1975, Johann Georg Nagel ou Jan Nagel,  e  Mario Soares
 no Aeroporto de Schiphol - Holanda.
Jan Nagel, um testemunho do contrabando do dinheiro CIA/Mario Soares, esteve presente no aeroporto como programador da estação de rádio e televisão VARA.



JAN NAGEL, O TESTEMUNHO, O LIVRO:
BOVEN HET MAAIVELD" (ACIMA DO NÍVEL DO CHÃO):

Johann Georg Nagel "Jan Nagel"
era um político do PvdA e um Programador Director da VARA estação de rádio e televisão criada em 01 de Novembro de 1925).
Após o escândalo na Holanda do crime de contrabando do dinheiro Sangue/CIA, por sua decisão abandonou o PvdA e fundou o partido Leefbaar Nederland, abandonando em 2002. Em 2005 fundou outro partido, o Partido da Justiça, da Acção e Progresso (PRDV), as pesquisas mostraram eleitores insuficientes e esse partido terminou. Em 2009, ele fez parte dos iniciadores de um outro partido político chamado Partijvoorzitter 50Plus. 
Jan Nagel no seu livro "BOVEN HET MAAIVELD" (ACIMA DO NÍVEL DO CHÃO), descreve o contrabando de dinheiro CIA/Mario Soares. 
Segundo Jan Nagel escreve no seu livro "o top do PvdA sabia do contrabando de dinheiro e calaram-se, e nos anos recentes dizem que não sabiam de nada sobre a origem desse dinheiro."


"BOVEN HET MAAIVELD"
 "ACIMA DO NÍVEL DO CHÃO"
Primeira Edição a 2001/01/10, dando origem a outras edições mais recentes.
(A foto na capa do livro representa a movimentação de jornalistas quando este crime de contrabando CIA/Mario Soares veio ao conhecimento público que, abusivamente se serviram do solo da Nação Holanda e utilizaram políticos holandeses com, ou sem conhecimento da procedência desse dinheiro).
Jan Nagel com este livro pretendeu limpar a sua honra que, sendo alheio a este crime, era um político do PvdA, e foi testemunho. De entre toda a descrição relatada ao pormenor sobre este crime de contrabando de dinheiro Sangue CIA/Mario Soares, coloco um pequeno extracto do livro "ACIMA DO NÍVEL DO CHÃO": 

"Em 1975, o ex-deputado trabalhista Harry van den Bergh foi usado para o contrabando de cerca de quatro milhões de dólares, contrabando em malas, ilegal, para Portugal. O dinheiro para a eleição ao poder do português Mário Soares. Van den Bergh viajou pelo menos quatro vezes, de carro e de avião, com mala notas para Portugal. Porque o seu homem ponto Português temia ser descoberto".

* "Porque o seu homem ponto Português temia ser descoberto".



ARTIGOS DO "ANGOLA TERRA NOSSA" 
De,     Rogéria Gillemans






A VPRO, na transmissão a 12 de  Maio de 2013, também, fez referência aos milhões de dólares que ele recebeu dos chineses pela entrega de Macau. Numa das passagens desta reportagem, constava, ele, os chineses na entrega das malas, e a sua entrada para o avião carregando as respectivas malas acompanhado pela sua trupe. 


Portugal constava assim nos aquirvos da Academia do SPD em Bad Münstereifel
"Com estima sincera do Socialista Português 19 de Abril de 1973, Mário Soares "

 Dos arquivos da academia Münstereifeler:
 "Mário Soares em solo Português ou fora dele trabalhava para os inimigos de Portugal".
Ver Arquivos da academia Münstereifeler

A casa Münstereifeler da Fundação Friedrich Ebert ou Club Bilderberg em Bad Münstereifel foi - inspirado por Willy Brandt -



Willy Brandt quando se vestia à forma e hábito do socialismo comunista.




AS VÁRIAS CARAS OU MATIZES DE UM BASTARDO
Moscovo, 1987: Andrei Gromiko recebe Mário Soares,
que se fez presente, esperando que fluísse algum dinheiro da Russia.


.
Frank Carlucci/CIA - Mario Soares/CIA.


Esq. Mário Soares -  dir. Holden Roberto/FNLA.
(a tentativa de colagem rejeitada)


Setembro de 1987 no Porto, Mário Soares com Eduardo dos Santos, declara:
 "Portugal não será santuário da UNITA."


 
Alguns anos depois, convenientemente, sobre a UNITA e Jonas Malheiro Savimbi, afirmou: "Savimbi é o verdadeiro líder africano."



ANGOLA, “LIGAÇÕES PERIGOSAS” DE MÁRIO  E  JOÃO SOARES,
 NA  SUA  CAUSA   DA   "DESCOLONIZAÇÃO  FOI  ÓPTIMA":



*Acácio Barradas, sobre Mário Soares, no Jornal oficioso de Angola publica um artigo intitulado: 

“LIGAÇÕES PERIGOSAS” DE MÁRIO E JOÃO SOARES;
 «Um boelo» [burro, em kimbundo]. No qual Mário Soares é injuriado: «É mesmo um boelo esse bochechas. Nem vergonha tem naquela kalanga [cara] por tão grandes desavergonhices que estampam o seu mau carácter e maldade». Ainda no Jornal de Angola o escritor angolano António Francisco Adão Cortez ( Chicoadão ), referiu-se a João Soares, como «um gatuno comprovado das riquezas de Angola». O ministro angolano da Comunicação Social, Hendrick Vaal Neto, que acusou Mário Soares e seu filho João (na altura presidente da Câmara de Lisboa) de «beneficiarem do tráfico de diamantes». 
A UNITA chamou «criminosos de guerra» a Almeida Santos, António Guterres, Jaime Gama e Durão Barroso. "A amizade e a admiração que durante muitos anos aproximaram os Soares, pai e filho, de Jonas Savimbi, estão na origem de vários episódios que ensombraram as relações entre Angola e Portugal. Lisboa - A guerra de palavras que por vezes se verificou entre Angola e Portugal teve em Mário Soares e no seu filho João Soares dois destacados protagonistas. O folhetim teve início logo em 1975, na data da independência, pois Mário Soares, então ministro dos Negócios Estrangeiros do VI Governo Provisório, seria considerado co-responsável pelo regresso a Lisboa de um avião que levava a bordo uma representação (não oficial) portuguesa. 

Tal avião foi impedido de atingir Luanda, sob pretexto de que a capital angolana estava debaixo de fogo e não havia condições para aterrar, o que se provou ser uma falsidade. Recordando mais tarde, numa entrevista ao Diário de Lisboa, o clima que então se vivia nas altas esferas lisboetas, Álvaro Cunhal afirmou que, durante uma reunião do Conselho de Ministros em que participavam os líderes dos principais partidos e a Comissão de Descolonização, esta – constituída por militares do MFA – «propôs o reconhecimento, no dia 11, do Governo que se formasse em Luanda. Mas Sá Carneiro e Soares opuseram-se energicamente a tal solução. Entravam e saíam da sala. Interrompiam a reunião para “informarem” que as tropas sul-africanas pelo Sul, e da FLNA, pelo Norte, estariam em Luanda dentro de poucas horas. Diziam que Luanda estava já a ser bombardeada». E Cunhal concluiu: «Com toda a evidência, Mário Soares e Sá Carneiro jogaram, nesse momento, em cheio na invasão de Angola». 

A cerimónia da independência foi assim privada da presença de representantes portugueses, mas o Presidente Agostinho Neto soube interpretar devidamente essa ausência, dirigindo uma mensagem de amizade e de solidariedade ao povo português e às suas forças progressistas. Em Janeiro de 1976, encontrando-se de visita aos EUA, onde foi recebido pelo secretário de Estado Henry Kissinger, Mário Soares proferiu uma conferência na Universidade de Yale, defendendo para Angola uma solução negociada entre os três movimentos e desmentindo que Lisboa venha a reconhecer o Governo do MPLA. A realidade, porém, encarregar-se-ia de o desmentir logo no mês seguinte. Anos depois (em 1984), Mário Soares encontrar-se-ia em Washington com Alexander Haig, ex-secretário de Estado de Ronald Reagan, depois deste se ter avistado com Savimbi. Tal coincidência foi interpretada pela ANGOP como «uma cruzada de submissão aos mais altos interesses de Washington». 

A partir de 1986, entra na liça João Soares, que na qualidade de proprietário da editora Perspectivas & Realidades foi abordado pelo dirigente da UNITA, Alcides Sakala, para a publicação de um livro com poemas de Savimbi. Na sequência deste contacto, João Soares desloca-se à Jamba, perante os protestos da Embaixada de Angola em Lisboa. Após a visita, João Soares elogia Savimbi: «É um grande líder político contemporâneo na África de hoje». No ano seguinte, a pretexto de interceder pela libertação de dois cooperantes suecos que a UNITA fizera reféns, João Soares volta ao quartel-general da UNITA, na Jamba. E quando, em 1988, o Governo português recusa a Savimbi o visto para entrar em Portugal, João Soares concede uma entrevista ao semanário Expresso, em que afirma: «O MPLA não é o Governo legítimo de Angola». 

Entretanto, no Palácio de Belém, Mário Soares, na qualidade de Presidente da República, agracia com a Ordem do Infante Dom Henrique o empresário Horácio Roque, cuja mulher, Fátima Roque, acompanha Savimbi num périplo por vários países. O ano de 1989 é marcado pelo acidente aéreo de que em Setembro são vítimas, na Jamba, João Soares e outros deputados (Rui Gomes da Silva, do PSD, e Nogueira de Brito, do CDS), que tinham ido assistir ao Congresso da UNITA. O Cessna em que voavam para a Namíbia caiu, segundo alguns, por excesso de carga no tráfico de marfim, o que foi negado pelo respectivo piloto. João Soares ficou ferido e convalesceu em Pretória, em casa do casal Horácio e Fátima Roque. Um mês depois do acidente, por ocasião de uma visita oficial a França, Mário Soares recebeu Savimbi em Paris, acto que constituiu a primeira audiência de um Chefe de Estado português ao líder da UNITA, desde os Acordos de Alvor em 1975. 

Em resposta às críticas que a propósito lhe foram formuladas, declarou: «Savimbi não tem peste e recebi-o como um cidadão do mundo que fala com toda a gente com quem tem de falar». Mário Soares voltaria a receber Savimbi quando o líder da UNITA se deslocou a Portugal em Janeiro de 1990, sendo igualmente recebido por Cavaco Silva. Mas, enquanto Soares o recebeu no Palácio de Belém, na qualidade de Presidente da República, Cavaco Silva não o fez como primeiro-ministro, em virtude de que recebeu o líder da UNITA na sede do PSD, como líder do partido, estando na altura acompanhado por Durão Barroso, também este não na qualidade de ministro dos Estrangeiros mas como membro da comissão política nacional do PSD. Em 1992, João Soares demarca-se pela primeira vez de Savimbi, ao certificar-se de que este mandara fuzilar os dirigentes da UNITA Tito Chingondji e Wilson dos Santos. 

Por seu turno, Savimbi mostra-se desagradado com Cavaco Silva e Durão Barroso e declara que, se ganhar as eleições (realizadas em Setembro desse ano) o seu único interlocutor em Portugal será o Presidente Mário Soares. No ano seguinte, Mário Soares recebe uma delegação da UNITA, chefiada pelo general Ben-Ben. O MNE angolano, Venâncio de Moura, pede explicações. 
Na ocasião, o oficioso Jornal de Angola publica um artigo intitulado «Um boelo» [burro, em kimbundo], no qual Mário Soares é injuriado: «É mesmo um boelo esse bochechas. Nem vergonha tem naquela kalanga [cara] por tão grandes desavergonhices que estampam o seu mau caratismo e maldade». Encontro falhado em Maputo. A posse de Joaquim Chissano como Presidente de Moçambique, em 1994, dá ensejo a que Mário Soares e José Eduardo dos Santos se encontrem circunstancialmente em Maputo. Mas o Presidente angolano só teve tempo para uma audiência com Durão Barroso, falando exclusivamente com este sobre a situação angolana. 

No mesmo ano, o embaixador angolano, Ruy Mingas, a propósito de uma carta dirigida a José Eduardo dos Santos por Mário Soares, acusou este de «interferências incorrectas e abusivas» que teriam comprometido a presença de Angola na Cimeira Lusófona. 
O Governo português foi então alvo de críticas por ter reagido de forma discreta. Durão Barroso protestou junto do seu homólogo angolano, mas recusou-se a fazer qualquer desagravo público. De visita às Seychelles, em 1995, Mário Soares, em conversa descontraída com os jornalistas, após o jantar, falou de Angola (que visitaria oficialmente no ano seguinte) e sobre os líderes em confronto, emitindo esta opinião: «José Eduardo dos Santos é um homem banal. Não provoca a ninguém um virar de pescoço quando entra numa sala. Jonas Savimbi tem uma presença esmagadora. É um verdadeiro líder africano». Não obstante estas afirmações, Mário Soares soube ser diplomata na visita oficial que realizou a Angola em 1996, pois embora tenha recebido em Luanda uma representação da UNITA, recusou-se a ir ao Bailundo encontrar-se com Savimbi, o qual, por outro lado, se recusara a ir a Luanda para ser recebido por Soares. 

A escalada verbal atingiria um nível sem precedentes no ano 2000. Através de um artigo no Expresso, Mário Soares acusou o Governo angolano de graves violações dos direitos humanos na escalada da guerra e no cerceamento da liberdade de Imprensa, com realce para a prisão e julgamento do jornalista Rafael Marques por ter escrito um artigo («O Baton da Ditadura», publicado no semanário luandense Agora) considerado difamatório do Presidente José Eduardo dos Santos. A propósito, Soares enunciou detalhadamente a posição condenatória do regime angolano, em que participara como deputado do Parlamento Europeu reunido em Estrasburgo. 
O ‘fait divers’ de Gama A reacção não se fez esperar, por intermédio do ministro angolano da Comunicação Social, Hendrick Vaal Neto, que acusou Mário Soares e seu filho João (na altura presidente da Câmara de Lisboa) de «beneficiarem do tráfico de diamantes feito pela UNITA», acusação logo corroborada pelo deputado angolano MacMahon. 

Em Portugal, estas declarações inflamaram todos os sectores da opinião pública, pondo em confronto diversos graus de entendimento do caso e da sua gravidade. O Presidente Jorge Sampaio, regressado de uma visita á Roménia, escreveu ao seu homólogo angolano, considerando as declarações do ministro «inaceitavelmente caluniosas». Também o primeiro-ministro, António Guterres, escreveu uma carta ao Presidente angolano, dando conhecimento da mesma a Mário Soares. No entanto, a reacção do MNE Jaime Gama, que considerou o caso um ‘fait divers’, limitando-se a falar com o seu homólogo e a pedir mais contenção, suscitou um coro de críticas, inclusivamente dentro do seu próprio partido. 
O assunto foi a debate na Assembleia da República, onde curiosamente a proposta aprovada não foi a do PS mas a redigida pelo Bloco de Esquerda, em que se repudiavam as palavras do ministro angolano e se manifestava solidariedade, não aos Soares, mas «a todos aqueles que em Angola lutam pela paz, pela defesa dos direitos humanos e das liberdades democráticas». 

Perante as vozes inflamadas que se levantaram (Paulo Portas chegou a dizer que «Portugal está a sofrer um vexame diplomático») não faltaram também os apelos ao bom senso, por vezes com perguntas dirigidas à memória dos mais exaltados: quando a UNITA chamou «criminosos de guerra» a Almeida Santos, António Guterres, Jaime Gama e Durão Barroso, alguém tomou posição e manifestou solidariedade? Alguém se lembra da resposta do Governo de Cavaco quando Jonas Savimbi chamou «garoto» ao então ministro Durão Barroso? No auge da contenda – que se arrastou nos media semanas a fio – ouve excessos de linguagem de parte a parte. Assim, por exemplo, um tal Chicoadão referiu-se a João Soares, nas páginas do Jornal de Angola, como «um gatuno comprovado das riquezas de Angola». 

Por seu turno, João Soares, numa entrevista ao semanário Expresso, classificou os dirigentes angolanos como «um bando de cleptócratas». O mesmo jornal resolveu ouvir o ex-dirigente do PS, Rui Mateus, que durante anos fora responsável pelas relações internacionais do partido e que era autor do polémico livro Memórias de um PS desconhecido. Das suas declarações, importa reter esta revelação: «Pela minha parte, o PS nunca recebeu nada, nem do MPLA nem da UNITA. O PS mantinha relações clandestinas com a UNITA, mas não por mim. Eram relações escondidas, que o dr. Soares durante muito tempo manteve confidenciais», em virtude de «não querer que isso fosse do conhecimento da Internacional Socialista, onde o movimento da UNITA não era reconhecido». Esclarecedor. 
*Acácio Barradas é um jornalista português. Trabalhou em Luanda nos matutinos O Comércio e A Província de Angola e foi chefe de redacção do ABC-Diário de Angola e dos semanários Jornal do Congo e revista Notícia. Regressou a Portugal em 1968 e foi chefe de redacção do Diário Popular, Diário de Lisboa e Diário de Notícias. Actualmente, dedica-se a trabalhos de investigação histórica.




"LIGAÇÕES PERIGOSAS" DE MÁRIO SOARES E JOÃO SOARES.

Continuação do Artigo de Acácio Barradas: 
No Portugal Digital, em complemento à série "Angola e Portugal, 30 anos de relações acidentadas", o artigo de Acácio Barradas sobre a família Soares.

Angola e Portugal, as "ligações perigosas" de Mário e João Soares.
Porto, Setembro 1987. Mário Soares, com Eduardo dos Santos, declara que “Portugal não será santuário da UNITA”.
A amizade e a admiração que durante muitos anos aproximaram os Soares, pai e filho, de Jonas Savimbi, estão na origem de vários episódios que ensombraram as relações entre Angola e Portugal.
Lisboa - A guerra de palavras que por vezes se verificou entre Angola e Portugal teve em Mário Soares e no seu filho João Soares dois destacados protagonistas. O folhetim teve início logo em 1975, na data da independência, pois Mário Soares, então ministro dos Negócios Estrangeiros do VI Governo Provisório, seria considerado co-responsável pelo regresso a Lisboa de um avião que levava a bordo uma representação (não oficial) portuguesa. Tal avião foi impedido de atingir Luanda, sob pretexto de que a capital angolana estava debaixo de fogo e não havia condições para aterrar, o que se provou ser uma falsidade.

Recordando mais tarde, numa entrevista ao Diário de Lisboa, o clima que então se vivia nas altas esferas lisboetas, Álvaro Cunhal afirmou que, durante uma reunião do Conselho de Ministros em que participavam os líderes dos principais partidos e a Comissão de Descolonização, esta – constituída por militares do MFA – «propôs o reconhecimento, no dia 11, do Governo que se formasse em Luanda. Mas Sá Carneiro e Soares opuseram-se energicamente a tal solução. Entravam e saíam da sala. Interrompiam a reunião para “informarem” que as tropas sul-africanas pelo Sul, e da FLNA, pelo Norte, estariam em Luanda dentro de poucas horas. Diziam que Luanda estava já a ser bombardeada». E Cunhal concluiu: «Com toda a evidência, Mário Soares e Sá Carneiro jogaram, nesse momento, em cheio na invasão de Angola».

A cerimónia da independência foi assim privada da presença de representantes portugueses, mas o Presidente Agostinho Neto soube interpretar devidamente essa ausência, dirigindo uma mensagem de amizade e de solidariedade ao povo português e às suas forças progressistas.
Em Janeiro de 1976, encontrando-se de visita aos EUA, onde foi recebido pelo secretário de Estado Henry Kissinger, Mário Soares proferiu uma conferência na Universidade de Yale, defendendo para Angola uma solução negociada entre os três movimentos e desmentindo que Lisboa venha a reconhecer o Governo do MPLA.
A realidade, porém, encarregar-se-ia de o desmentir logo no mês seguinte.
Anos depois (em 1984), Mário Soares encontrar-se-ia em Washington com Alexander Haig, ex-secretário de Estado de Ronald Reagan, depois deste se ter avistado com Savimbi. Tal coincidência foi interpretada pela ANGOP como, «uma cruzada de submissão aos mais altos interesses de Washington».

A partir de 1986, entra na liça João Soares, que na qualidade de proprietário da editora Perspectivas & Realidades foi abordado pelo dirigente da UNITA, Alcides Sakala, para a publicação de um livro com poemas de Savimbi. Na sequência deste contacto, João Soares desloca-se à Jamba, perante os protestos da Embaixada de Angola em Lisboa. Após a visita, João Soares elogia Savimbi:
«É um grande líder político contemporâneo na África de hoje». No ano seguinte, a pretexto de interceder pela libertação de dois cooperantes suecos que a UNITA fizera reféns, João Soares volta ao quartel-general da UNITA, na Jamba. E quando, em 1988, o
Governo português recusa a Savimbi o visto para entrar em Portugal, João Soares concede uma entrevista ao semanário Expresso, em que afirma: «O MPLA não é o Governo legítimo de Angola».

Entretanto, no Palácio de Belém, Mário Soares, na qualidade de Presidente da República, agracia com a Ordem do Infante Dom Henrique o empresário Horácio Roque, cuja mulher, Fátima Roque, acompanha Savimbi num périplo por vários países.
O ano de 1989 é marcado pelo acidente aéreo de que em Setembro são vítimas, na Jamba, João Soares e outros deputados (Rui Gomes da Silva, do PSD, e Nogueira de Brito, do CDS), que tinham ido assistir ao Congresso da UNITA.
O Cessna em que voavam para a Namíbia caiu, segundo alguns, por excesso de carga no tráfico de marfim, o que foi negado pelo respectivo piloto. João Soares ficou ferido e convalesceu em Pretória, em casa do casal Horácio e Fátima Roque.
Um mês depois do acidente, por ocasião de uma visita oficial a França, Mário Soares recebeu Savimbi em Paris, acto que constituiu a primeira audiência de um Chefe de Estado português ao líder da UNITA, desde os Acordos de Alvor em 1975.
Em resposta às críticas que a propósito lhe foram formuladas, declarou:
«Savimbi não tem peste e recebi-o como um cidadão do mundo que fala com toda a gente com quem tem de falar».

Mário Soares voltaria a receber Savimbi quando o líder da UNITA se deslocou a Portugal em Janeiro de 1990, sendo igualmente recebido por Cavaco Silva. Mas, enquanto Soares o recebeu no Palácio de Belém, na qualidade de Presidente da República, Cavaco Silva não o fez como primeiro-ministro, em virtude de que recebeu o líder da UNITA na sede do PSD, como líder do partido, estando na altura acompanhado por Durão Barroso, também este não na qualidade de ministro dos Estrangeiros mas como membro da comissão política nacional do PSD.
Em 1992, João Soares demarca-se pela primeira vez de Savimbi, ao certificar-se de que este mandara fuzilar os dirigentes da UNITA Tito Chingondji e Wilson dos Santos.
Por seu turno, Savimbi mostra-se desagradado com Cavaco Silva e Durão Barroso e declara que, se ganhar as eleições (realizadas em Setembro desse ano) o seu único interlocutor em Portugal será o Presidente Mário Soares.
No ano seguinte, Mário Soares recebe uma delegação da UNITA, chefiada pelo general Ben-Ben.

O MNE angolano, Venâncio de Moura, pede explicações. Na ocasião, o oficioso Jornal de Angola publica um artigo intitulado «Um boelo» [burro, em kimbundo], no qual Mário Soares é injuriado: «É mesmo um boelo esse bochechas. Nem vergonha tem naquela kalanga [cara] por tão grandes desavergonhices que estampam o seu mau caratismo e maldade».
Encontro falhado em Maputo.
A posse de Joaquim Chissano como Presidente de Moçambique, em 1994, dá ensejo a que Mário Soares e José Eduardo dos Santos se encontrem circunstancialmente em Maputo. Mas o Presidente angolano só teve tempo para uma audiência com Durão Barroso, falando exclusivamente com este sobre a situação angolana.
No mesmo ano, o embaixador angolano, Ruy Mingas, a propósito de uma carta dirigida a José Eduardo dos Santos por Mário Soares, acusou este de «interferências incorrectas e abusivas» que teriam comprometido a presença de Angola na Cimeira Lusófona. O Governo português foi então alvo de críticas por ter reagido de forma discreta. Durão Barroso protestou junto do seu homólogo angolano, mas recusou-se a fazer qualquer desagravo público.

De visita às Seychelles, em 1995, Mário Soares, em conversa descontraída com os jornalistas, após o jantar, falou de Angola (que visitaria oficialmente no ano seguinte) e sobre os líderes em confronto, emitindo esta opinião: «José Eduardo dos Santos é um homem banal. Não provoca a ninguém um virar de pescoço quando entra numa sala. Jonas Savimbi tem uma presença esmagadora. É um verdadeiro líder africano».
Não obstante estas afirmações, Mário Soares soube ser diplomata na visita oficial que realizou a Angola em 1996, pois embora tenha recebido em Luanda uma representação da UNITA, recusou-se a ir ao Bailundo encontrar-se com Savimbi, o qual, por outro lado, se recusara a ir a Luanda para ser recebido por Soares.
A escalada verbal atingiria um nível sem precedentes no ano 2000. Através de um artigo no Expresso, Mário Soares acusou o Governo angolano de graves violações dos direitos humanos na escalada da guerra e no cerceamento da liberdade de Imprensa,
com realce para a prisão e julgamento do jornalista Rafael Marques por ter escrito um artigo («O Baton da Ditadura», publicado no semanário luandense Agora) considerado difamatório do Presidente José Eduardo dos Santos.

A propósito, Soares enunciou detalhadamente a posição condenatória do regime angolano, em que participara como deputado do Parlamento Europeu reunido em Estrasburgo. O 'fait divers' de Gama.
A reacção não se fez esperar, por intermédio do ministro angolano da Comunicação Social, Hendrick Vaal Neto, que acusou Mário Soares e seu filho João (na altura presidente da Câmara de Lisboa) de «beneficiarem do tráfico de diamantes», acusação logo corroborada pelo deputado angolano MacMahon.
Em Portugal, estas declarações inflamaram todos os sectores da opinião pública, pondo em confronto diversos graus de entendimento do caso e da sua gravidade. O Presidente Jorge Sampaio, regressado de uma visita á Roménia, escreveu ao seu homólogo angolano, considerando as declarações do ministro «inaceitavelmente caluniosas». Também o primeiro-ministro, António Guterres, escreveu uma carta ao Presidente angolano, dando conhecimento da mesma a Mário Soares. No entanto, a reacção do MNE Jaime Gama, que considerou o caso um 'fait divers', limitando-se a falar com o seu homólogo e a pedir mais contenção, suscitou um coro de críticas, inclusivamente dentro do seu próprio partido. 

O assunto foi a debate na Assembleia da República, onde curiosamente a proposta aprovada não foi a do PS mas a redigida pelo Bloco de Esquerda, em que se repudiavam as palavras do ministro angolano e se manifestava solidariedade, não aos Soares, mas «a todos aqueles que em Angola lutam pela paz, pela defesa dos direitos humanos e das liberdades democráticas».
Perante as vozes inflamadas que se levantaram (Paulo Portas chegou a dizer que «Portugal está a sofrer um vexame diplomático») não faltaram também os apelos ao bom senso, por vezes com perguntas dirigidas à memória dos mais exaltados: quando a UNITA chamou «criminosos de guerra» a Almeida Santos, António Guterres, Jaime Gama e Durão Barroso, alguém tomou posição e manifestou solidariedade? Alguém se lembra da resposta do Governo de Cavaco quando Jonas Savimbi chamou «garoto» ao então ministro Durão Barroso?

No auge da contenda – que se arrastou nos media semanas a fio – ouve excessos de linguagem de parte a parte. Assim, por exemplo, um tal Chicoadão referiu-se a João Soares, nas páginas do Jornal de Angola, como «um gatuno comprovado das riquezas
de Angola». Por seu turno, João Soares, numa entrevista ao semanário Expresso, classificou os dirigentes angolanos como «um bando de cleptócratas». O mesmo jornal resolveu ouvir o ex-dirigente do PS, Rui Mateus, que durante anos fora responsável pelas relações internacionais do partido e que era autor do polémico livro Memórias de um PS desconhecido. Das suas declarações,importa reter esta revelação:
«Pela minha parte, o PS nunca recebeu nada, nem do MPLA nem da UNITA. O PS mantinha relações clandestinas com a UNITA, mas não por mim. Eram relações escondidas, que o dr. Soares durante muito tempo manteve confidenciais», em virtude de «não querer que isso fosse do conhecimento da Internacional Socialista, onde o movimento da UNITA não era reconhecido».

Esclarecedor. Esta peça complementa um artigo sobre as relações luso-angolanas publicado na última edição da revista Espaço África.

* Acácio Barradas é um jornalista português. Trabalhou em Luanda nos matutinos O Comércio e A Província de Angola e foi chefe de redacção do ABC-Diário de Angola e dos semanários Jornal do Congo e revista Notícia.
Regressou a Portugal em 1968 e foi chefe de redacção do Diário Popular, Diário de Lisboa e Diário de Notícias. Actualmente, dedica-se a trabalhos de investigação histórica.



                 NA ROTA DO NARCOTRÁFICO E TRÁFICO DAS RIQUEZAS DE ANGOLA:
João Soares no regresso ao lugar onde o Cessna 340 se despenhou no Sul de Angola,
por excesso de carga, quando transportava marfim e diamantes.

A Jamba era o centro nevrálgico do tráfico de marfim, diamantes, madeiras preciosas e droga! 

O texto abaixo foi extraído do livro “Eden’s Exiles”  subtítulo “One Soldier’s Fight For Paradise” do coronel Jan Breytenbach o fundador do 32 Buffalo Battalion, Batalhão Búfalo, e que foi treinado por ele na Faixa de Caprivi. A Faixa de Caprivi  é um pedaço de terra entre o norte de Botswana, sul de Angola, e Zâmbia. 

"Pouco depois da descolagem o avião caiu pela excessiva carga de marfim e embateu numa árvore, despenhando-se em chamas. O  filho do então Presidente da República ficou entre a vida e a morte. Os outros dois deputados sofreram ferimentos mais ligeiros.
Joaquim Augusto, piloto e dono do avião que caiu na Jamba, com João Soares a bordo, recebeu três mil toneladas de marfim em pagamento por serviços prestados.
O coronel Jan Breytenbach denunciou os mafiosos e foi saneado
"Exigi que acabasse imediatamente com o tráfico de marfim e de droga entre a Zâmbia, Jamba e Joanesburgo”, conta Breytenbach. Mas exigiu mais: 
“Vejam-se livres da máfia portuguesa e tomem imediatamente medidas porque estão a dizimar as manadas de elefantes e rinocerontes”. A resposta foi eloquente. E não tardaram as sanções contra ele. O coronel Breytenbach pediu para passar à reserva porque queria gerir o parque natural de Caprivi, na Namíbia. Iniciou funções mas por pouco tempo. A máfia de traficantes de droga, marfim e diamantes mexeu os cordelinhos em Pretória e ele foi despedido sem qualquer justificação.

O mesmo aconteceu a um jovem tenente que em 1987 e 1988 foi combater no Cuando Cubango.
O coronel Ian Breytenbach conta como foi saneado:
“o jovem tenente informou-me que ao regressar de uma operação em Angola, estava sem mantimentos para a sua tropa. Foi ao Rundu abastecer-se num armazém da Inteligência Militar. Abriu uma caixa e estava cheia de dentes de elefante. Abriu outra e outra, a mesma coisa. Todas as caixas do armazém, em vez de víveres, estavam cheias de marfim”. As caixas iam ser trocadas por outras cheias de víveres, mas os camiões estavam atrasados. 
O jovem oficial, “como um bom soldado, decidiu comunicar o facto ao seu comandante. Ele ouviu o relato, ficou irritado, fechou a porta do gabinete e começou a ameaçar o jovem dizendo que ia ter problemas graves na vida se divulgasse a sua descoberta.
A máfia que tinha na Jamba o supermercado de droga tremeu. 
Os garimpeiros de diamantes e os traficantes de marfim e Mandrax perceberam que as suas actividades criminosas estavam a chegar ao fim. 
Os turistas da Jamba entravam e saíam a uma velocidade estonteante. Chegavam de bolsos vazios e partiam com as malas cheias. A ambição levou ao fim dos negócios de uma forma fortuita. 

No dia 7 de Outubro de 1989 o jornal “Whindhoek Observer” publica uma notícia de primeira página que põe a nu a rede mafiosa. “A frota aérea civil do país, considerável à luz da sua pequena população, perdeu um bimotor pressurizado, Cessna 340 com a matrícula 3D-A-F-C, quando se despenhou logo após a descolagem, no Sul de Angola, perto da sede da UNITA. João Soares, filho de Mário Soares, na época, Presidente da República Portuguesa estava a bordo e sofreu ferimentos graves”.
O avião estava registado na Suazilândia e era propriedade de Joaquim da Silva Augusto, um homem muito rico, proprietário do grupo J&C. O jornal da Namíbia refere que “não se sabe quem autorizou um voo civil a cruzar a fronteira para a Jamba onde se encontrava a base da UNITA em Angola”.

Excesso de marfim
No dia seguinte, a Imprensa sul-africana dava detalhes importantes: “caiu o avião do proprietário de um grande império de negócios e de um armazém de reabastecimento das guerrilhas da UNITA”. Os jornais eram unânimes: “o avião do senhor Augusto foi forçado a aterrar, logo após a descolagem, por causa da excessiva carga de marfim que transportava, além dos passageiros João Soares (Partido Socialista Português), Rui Gomes da Silva (deputado do PSD de Portugal), Nogueira de Brito (deputado do CDS de Portugal) e Gepperth Rainer, alemão, da Fundação Hans Seidel.
O jornal da Namíbia voltou à carga no dia seguinte e dá um pormenor importante: “não foi permitido o contacto dos jornalistas com os feridos, incluindo o senhor Augusto". Em Windhoek, o chefe da Conservação da Natureza, Polla Swart, disse que o advogado do milionário português, amigo da família do Presidente Mário Soares, estragou tudo.

Camiões de marfim
Barnard Hennie, advogado do abastecedor da UNITA, confirmou à imprensa que “o camião apreendido com uma carga de marfim avaliada em 3,5 milhões de rands é propriedade do senhor Augusto”. Augusto levava na sua frota alimentos para a UNITA e os camiões regressavam carregados de marfim e madeira. Os diamantes e a droga viajavam de avião.
Joaquim da Silva Augusto era considerado um dos homens mais ricos da África do Sul. Tinha uma cadeia de supermercados e um grande armazém no Rundu, ponto de partida para os abastecimentos logísticos à UNITA.
Um jornal sul-africano deu uma notícia sobre o acidente aéreo que pode explicar o que estava em jogo. O título da notícia: “milionário ligado a um grande crime”. O milionário é Joaquim Augusto e o crime, tráfico de marfim e de diamantes. A notícia refere que “o desastre ocorreu no Sul de Angola, e que o local que é estritamente vigiado e não é permitida a entrada a nenhum repórter. Um jornalista foi tratado de forma violenta e hostil, quando tentou aproximar-se do local do acidente”.

Internamento secreto
Em Pretória os portugueses, João Soares, Rui Gomes da Silva deputado do PSD,
Nogueira de Brito, do CDS, Joaquim Augusto e Gepperth Rainer foram internados num hospital militar, numa ala onde apenas podia entrar pessoal autorizado pelos serviços secretos.

“foram liquidados 100.000 elefantes para ajudar a financiar a guerra”. As presas dos elefantes e os chifres dos rinocerontes foram armazenados na Jamba. As mafias colocavam o marfim em Hong Kong, os diamantes em Pretória e na Europa e a madeira preciosa na Namíbia, os turistas da Jamba, entre os quais a família Soares, e os seus “embaixadores”, entre os quais um comerciante português, Arlindo Manuel Maia, dono de uma empresa de transportes em Joanesburgo e com “filial” no Rundu. Outro mafioso era José Francisco Lopes, comerciante no Rundu e tido como multimilionário.
A Environmentand Animal Welfare explicou que o contrabando de marfim se fazia através da faixa de Caprivi. O coronel Breytenbach foi directamente ao assunto: “descobri uma máfia que contrabandeava dentes de elefante e chifres de rinoceronte, diamantes, madeira e droga”.

“Durante longos anos, quantidades indefinidas de predras preciosas. 
Toneladas de Droga.
Milhares de animais liquidados, elefantes e rinocerontes, para este tráfico.
Milhões de toneladas de madeira foram roubados de Angola e serradas em tábuas numa serração pertencente à InterFrama, em Bwabwata. Milhões de árvores foram derrubadas nas savanas do Cuando Cubango para traficar madeira. Uma catástrofe ambiental sem precedentes e que ficou sem castigo."


"Do Jornal de Angola:
Uma enfermeira portuguesa conta ao Jornal de Angola o que sucedeu: “eu e meu marido soubemos que o nosso amigo Joaquim Silva teve um acidente grave e estava no meu hospital. Fui imediatamente para lá.  Só nesse momento soube que também estava internado João Soares, filho de Mário Soares. No dia seguinte recebeu a visita da mãe e da esposa. Eu pus-me à disposição deles”. 

Esse deputados portugueses foram internados num hospital militar numa ala controlada pelos serviços secretos. João Soares diz que o Jornal de Angola o acusou de tráfico de marfim e de diamantes. Mas quem falou em tráfico e em “crime grave” foi a imprensa da Africa do Sul.

Jornal de Angola - 22/05/2014."


  



Tenente-coronel Jan Breytenbach
 ele foi, também, o fundador e primeiro comandante do 1Comando de Reconhecimento (1 recce) que foi as primeiras forças especiais Sul-Africanas - precursor da actual Brigada das Forças Especiais do SANDF a Força de Defesa Nacional Sul-Africana equivalente ao  SAS britânico (Serviço Aéreo Especial).
 Interior do livro “Eden’s Exiles One Soldier’s Fight For Paradise”

delito gravíssimo e de cunho hediondo deste tráfico, é ainda maior, por ser realizado  aquando Angola se encontrava sob um pantanal de sangue por uma violenta e terrificante "guerra fratricida". Esta abominável corja de criminosos sem escrúpulos e destituida de qualquer valor moral contribuiram para o prolongamento da guerra,  convertendo a morte e os sacrifícios de um povo, como benefício acrescido para a prática do do roubo e tráfico das riquezas de Angola.


                                                Rogéria Gillemans



MOÇAMBIQUE,
 A "DESCOLONIZAÇÃO EXEMPLAR".




FICHEIROS SECRETOS SOBRE MOÇAMBIQUE E MÁRIO SOARES,
"CONFIDENCIAL", MÁRIO SOARES OFEREÇEU MOÇAMBIQUE À FRELIMO:



Estes documentos fazem parte dos arquivos secretos dos Estados Unidos, da República Democrática Alemã e da União Soviética, sobre os acontecimentos que marcaram a África Austral durante a década de 70. Todos estes papéis foram agora finalmente desclassificados, encontrando-se ao dispor dos investigadores nos National Security Archives, em Washington. 
Neles se revelam alguns dos aspectos mais dramáticos da história da "descolonização portuguesa" e das guerras civis que se seguiram nas antigas "colónias". Demonstram sobretudo algumas das atitudes assumidas pelos principais protagonistas políticos que, na altura, conduziam a política externa dos seus países. Documento do departamento de Estado norte-americano sobre a descolonização de Moçambique, classificado como “secreto”. Nele se dá conta da opinião de Mário Soares, favorável à entrega imediata da colónia à Frelimo. Sem dar qualquer relevância à possível falta de representatividade do movimento marxista moçambicano.

Este primeiro documento cita a opinião do então ministro dos Negócios Estrangeiros, Mário Soares, sobre a descolonização de Moçambique: “A transferência imediata do poder para a Frelimo é a única saída para Portugal, independentemente de a Frelimo ser ou não realmente representativa da maioria da população”. Esta verdadeira entrega sem discussões do país à Frente de Libertação de Moçambique justificava-se, segundo o ex-Presidente da República, como a única forma de terminar definitivamente com a guerra.
De acordo com os norte-americanos, Soares entendia que se Portugal não fizesse esta outorga do poder “as tropas portuguesas iriam recusar-se a combater, o que resultaria num Moçambique independente governado pela Frelimo mas hostil a Portugal”.
Ao transferir o poder para os homens de Samora Machel, Mário Soares explicava desta forma “Portugal manterá a capacidade de exercer influência sobre o Governo de Moçambique”. O documento confidencial, intitulado “A escolha como Soares a vê”, explica mais adiante que o ministro dos Negócios Estrangeiros do I Governo Provisório acreditava que se Portugal aceitasse incondicionalmente “a Frelimo como condutora do processo de independência, Moçambique irá manter no futuro ligações linguísticas, culturais e económicas com Portugal e desejará manter permanentemente a presença portuguesa no território”.

 30 de Maio de 1974: Telex do cônsul norte-americano em Luanda, relatando um encontro ocorrido a 24 de Maio entre António Almeida Santos, ministro da Coordenação Interterritorial, o cônsul americano em Luanda, Everett Ellis Briggs, e o seu colega italiano.
O actual presidente da Assembleia da República dizia que não havia outro caminho para Angola e Moçambique que não fosse “a imediata autodeterminação”. Segundo este documento, Almeida Santos afirmou no encontro com o cônsul norte-americano, Everett Briggs, que “o Governo provisório angolano não deverá depender de Lisboa: é impensável que Lisboa vá continuar a dirigir os assuntos angolanos e moçambicanos. A autonomia será conduzida para que o imediato exercício da autodeterminação possa ser genuíno”.
À altura, o então ministro da Coordenação Interterritorial ainda defendia que “a autodeterminação incluirá as opções de federação com Portugal ou de independência total”. Uma ideia que foi, como se sabe, rapidamente ultrapassada. Segundo o que relata Everett Briggs, mais tarde embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, o Governo português mostrava-se claramente optimista no apoio de Angola “à manutenção de laços económicos e culturais com Portugal”, que deveria preservar também “responsabilidades partilhadas na área da Defesa durante algum tempo”.

Na reunião, que durou apenas “alguns minutos”, Almeida Santos teve tempo para defender ainda que “Cabinda terá de permanecer como parte integrante de Angola. Se Cabinda tivesse uma relação separada com Portugal, o resto de Angola seria vulnerável à desintegração.
Quando o ministro hoje se encontrar com uma delegação de Cabinda, tenciona abrir as conversações com uma declaração anti-separatista”. Almeida Santos referiu depois que “os EUA deveriam estar satisfeitos com o facto de Portugal ter finalmente aceite o princípio da autodeterminação”. Quanto à possibilidade de Washington oferecer assistência económica a Angola e Moçambique durante a “transição”, o responsável norte-americano “não deu qualquer tipo de encorajamento” aos pedidos do socialista português.
2 de Agosto de 1974: Documento classificado do departamento de Estado com o título “Descolonização em Angola: o passo acelera”. Nele se refere que “o conceito de Spínola de uma federação lusitana” se tinha tornado obsoleto. A fonte deste relatório secreto é um membro do Movimento das Forças Armadas, coronel Silva Cardoso, que revelou “os planos do MFA para realizar a independência antecipada de Angola sem a realização de um referendo”.

No texto da funcionária norte-americana, Marianne L. Cook, salienta-se que “o processo de descolonização em Angola foi acelerado com o novo Governo Provisório português dominado pelo MFA”, tornando obsoleto “o conceito de Spínola de uma Federação Lusitana”.
Já nesta data os norte-americanos reconhecem que, “apesar de Angola dever ser o último dos três territórios a obter a independência, vai consegui-la sem a realização de um referendo e muito antes do tempo previsto” por Portugal.
A fonte principal deste documento foi o coronel António da Silva Cardoso, membro do MFA enviado para Angola numa “comissão de averiguação” a recentes tumultos entretanto verificados. O relatório norte-americano afirma, preto-no-branco, que Silva Cardoso revelou “ao nosso cônsulo-geral em Luanda os planos do MFA para realizar uma independência antecipada sem realização, de um referendo”.
Lembre-se que a politica oficial do Governo na altura, tambem defendida por António de Spínola, que era ainda Presidente da República , afirmava que a independência de Angola só deveria acontecer depois da realização de uma consulta popular” aos povos a autodeterminar”.

O plano do MFA para a independência de Angola revelado por Silva Cardoso aos americanos, dependia de “um acordo prévio entre os três movimentos de libertação, as comunidades brancas e mestiças”, no sentido de formar um “ Governo provisório de coligação” semelhante ao que na altura existia em Portugal. As eleições democráticas seriam realizadas só depois da independência. Esta coligação impossível deveria incluir as três fracções do MPLA que na altura disputavam o poder, respectivamente lideradas por Agostinho Neto, Daniel Chipenda e pelo chamado, ”grupo de Pinto de Andradre”, englobando também a FNLA e a UNITA.
O MFA esperava que um, ”MPLA unificado” – preferivelmente sob a liderança do moderado Pinto de Andradre – poderia conseguir governar uma “ Angola multi-racial”. Uma ilusão que veio a sair cara aos antigos “colonos portugueses” e ao povo Angolano em geral. Aparentemente, as conversas travadas entre os norte-americanos e o representante do MFA visavam obter o apoio de Washington para esta causa portuguesa.

Lisboa pretendia que os EUA viessem a pressionar a FNLA de Holden Roberto para que aceitasse participar no Governo de coligação. Lisboa confiava igualmente nos “bons ofícios” de Washington para assegurar o apoio de presidente zairense, Mobutu Sese Seko, ao plano de Portugal. Silva Cardoso revelou ainda “a sua preocupação com a eventual tomada de Cabinda por Mobutu” – o enclave angolano era considerado pelos portugueses como “ militar mente indefensável “.
Do ponto de vista do departamento Estado norte-americano, eram vários os problemas que poderiam inviabilizar este plano do MFA. Em primeiro lugar, “a atitude Holden Roberto”, que resistia à unificação dos movimentos rebeldes. Depois, “ a posição de Mobutu”, que pretendia assegurar um maior acesso ao mar e ao petróleo, só possível mediante a conquista de Cabinda. Em clara oposição mantinham-se também os colonos portugueses, “alguns dos quais mostrando-se dispostos a inviabilizar o projecto de Lisboa”.
Finalmente, e mais importante, o plano do MFA exigia que ”o Governo português tivesse capacidade de manter forças militares em Angola pelo menos durante algum tempo depois da independência”.

8 de Maio de 1974: Documento do Departamento da Defesa dos Estados Unidos, mais precisamente da Defense Intelligence Agency os serviços de informações militares. Aqui se relata a visita de Costa Gomes a Angola em 5 de Maio de 74. Comentando a visita de Costa Gomes, na altura membro da Junta de Salvação Nacional e CEMGFA, efectuada em 5 de Maio a Angola, os norte-americanos referem que o general “ prometeu que os guerrilheiros presos seriam libertados em troca da cessação imediata de hostilidades”.
Este facto conhecido é, no entanto, interpretado pelos EUA como sendo “ essencialmente motivado por questões de política interna” em Lisboa. Com esta acção, diz o documento, Costa Gomes esperava vir a “diminuir as pressões em Portugal por parte dos mais esquerdistas que defendem a independência imediata, negando também qualquer estatuto especial aos movimentos de libertação em futuras negociações”. Curiosamente, nesta altura, Costa Gomes surge como um travão aos elementos do MFA mais radicais empenhados numa” descolonização instantânea”. Uma posição que o próprio general irá deixar cair meses mais tarde, depois dos acontecimentos do 28 de Setembro, quando assume a presidência da República com o apoio da Comissão Coordenadora do MFA.

24 de Dezembro de 1974: Telex do cônsul norte-americano em Luanda sobre “a indisciplina das tropas portuguesas no território”. Meses depois do golpe de 25 de Abril, o estado das tropas portuguesas em Angola aproximava-se da anarquia, as ordens recebidas eram de não protecção, nem ajuda à população branca. MFA em Angola estava nesta altura a organizar equipas de oficiais, sargentos e praças para efectuar visitas às unidades que procuravam restabelecer o “sentido da disciplina e da responsabilidade”. As “fontes próximas” dos Estados Unidos afirmavam que “o Exercito está dividido entre os que querem partir imediatamente para a metrópole, independentemente das consequências, e os que sentem que têm a obrigação de assegurar a segurança e a defesa dos interesses dos seus compatriotas durante este período difícil”.
O documento não pode ser mais claro sobre o estado das forças portuguesas em Angola. “Considerando o aspecto das tropas e a sua recente falta de vontade para combater, o moral é provavelmente mais baixo do que o Alto – Comando português admite”, dizem os americanos.





De 28 a 31 de Outubro de 1975 recebeu em Lisboa Nicolae Ceausescu "o Facínora Ditador da Romênia Socialista" a quem admirava e se declarou amigo chegando apresentar como modelo, a seguir, para Portugal. E a  exemplo do seu amigo, Nicolae Ceauşescu, também,  pretendeu  instituir o culto da sua pessoa para se converter numa figura popular para domínio do poder, e pretendeu, igualmente, colocar a "família" nos comandos estatais do País.




A 25 de Dezembro de 1989, 
Nicolae Ceaușescu Presidente da Romênia Socialista, e Elena Ceaușescu Vice-Primeira-Ministra da Romênia Socialista, foram executados por crimes contra o povo romeno.


                                         "O GANGSTER DO CRIME ORGANIZADO"
             A Propensão ao crime fez dele "O homem preferido pelos traficantes de armas"
Deu livre curso à sua ganância na esteira da Revolução de todos os Crimes: Explorou povos; Contribuiu fortemente para a destruição da Nação e aos assassinatos dos povos nas províncias ultramarinas portuguesas; 
Sem ética moral nem constrangimento explorou os dramas, o luto e a fuga dos portugueses à guerra em Angola, convertendo os crimes dolosos e os crimes contra a humanidade em benefício pessoal para se enriquecer;
Contrabandeou dinheiro sangue/CIA; Traficou diamantes e marfim de Angola;
Destruiu parte do Património de Portugal, durante o tempo em que comunistas e socialistas procediam à Destruição e ao Saqueio da Nação, em Abril de 1976 extinguiu a Companhia Portuguesa de Transportes Marítimos (CTM), em simultâneo a Companhia Colonial de Navegação (CCN) e a Companhia Nacional de Navegação (CNN), no conjunto, considerada uma das maiores e melhores Companhias de Navegação da Europa;
Corrompeu a Nação; Instituiu o Crime de Corrupção Activa e Passiva; Desrespeitou Leis; Ofendeu publicamente um Magistrado da Justiça; Ofendeu publicamente um Oficial da Autoridade (GNR) quando este agente cumpria o seu dever; E ao longo dos anos aproveitou-se de todos os portugueses contribuintes.


 A História do mundo prova que, "Por menos crimes, foram mortos muitos homens".



                                           Rogéria Gillemans







oncontextmenu='return false'>