A"DESCOLONIZAÇÃO"ASSENTOU EM LEI ANÓNIMA AQUANDO DA EXISTÊNCIA DE GOVERNOS PROVISÓRIOS SEM LEGITIMIDADE CONSTITUCIONAL.
O processo da traição:
Este poderia muito adequadamente ser a designação de causa posta em tribunais sobre a (descolonização exemplar).
Talvez mais expressiva do que a da cadeia, será - O JUÍZO DA HISTÓRIA -.
`

ANGOLA E OS CUBANOS NO MUNDO DO CRIME.


Memorial, na cidade de Cahama, província da Huíla, 
uma aldeia perdida a meio caminho entre o Cunene e da cidade de Lubango. Observe-se a bandeira cubana pintada na parede branca. Cahama e o aeroporto militar construído sob as ordens do general Arnaldo Ochoa em 1988. 
Em 27 de abril daquele ano, foi derrubada por uma antiaérea cubana AN-26, que estava viajando com uma comissão de altos funcionários, matando 26 soldados, incluindo o general Paco Cruz e o Brig. Gen. Francisco Bourzac Cruz.Em 1989, eles são presos e processados. Numerosos oficiais das Forças Armadas e do Ministério do Interior, incluindo o general Arnaldo Ochoa e os irmãos António e Patricio de la Guardia, é a causa número 1, o caso "Ochoa". 
Entre outras coisas, eles são acusados de usar seus cargos nas Forças Armadas, do Ministério do Interior e da CIMEX por tráfico de drogas e lucro pessoal. Quatro polícias foram mortos, incluindo Ochoa e António de la Guardia, Patricio de Guardiã foi condenado a 30 anos de prisão. Pouco depois é preso e morre na prisão, o ministro do Interior, General José Abrahantes. Norberto Fuentes, um assessor de escritor dos círculos do poder, disse mais tarde que os relatórios de Marambio contra os irmãos Guarda salvou-o de estar envolvido no caso. Fuentes era um amigo próximo dos oficiais superiores envolvidos. Vinte anos mais tarde é o Marambio, que cai em desgraça. As suas empresas em Cuba são expropriadas e tem uma dívida cerca de dezenas de milhões de dólares, e os seus funcionários são sob investigação, presos, ou mortos. O caso de Max Marambio, foi como um dos destinos trágicos de todos os intervenientes, incluindo oficiais superiores na aventura Angolana da loucura de Fidel Castro. A implementação do general Arnaldo Ochoa e outros dois réus em um processo controverso (Julho de 1989) é o evento do emblemático terrível e uma fase de fechamento. Foi dito que ao fazer isso, o STI, perdeu o que Fidel Castro anunciou no seu discurso na ONU sobre a intervenção cubana em Angola. Na realidade, a expansão comunista cubana começou na década anterior, em Angola, Nicarágua, ou a Etiópia onde predominam as missões civis, onde as batalhas eram travadas sob armadura tradicional. 


O CASO OCHOA:
 
Na madrugada de 14 julho de 1989, o general cubano Arnaldo Ochoa Sanchez foi executado por um pelotão de fuzilamento, juntamente com três outros oficiais cubanos. Ochoa foi um dos oficiais mais populares deexército cubano. Laureado com a medalha de Herói da República cubana, sua carreira remonta 31 anos da revolução quando ele era um membro da famosa brigada Camilo Cienfuegos. Comandou forças cubanas na Etiópia, o grupo de aconselhamento cubano na Nicarágua, e 50.000 soldados cubanos em Angola. Ochoa foi considerado culpado de ajudar o cartel de drogas de Medellín na Colômbia no contrabando de cocaína para os Estados Unidos. 
O seu julgamento, que foi realizado em segredo, começou no domingo 26 de Junho de 1989. A testemunha-chave foi Raúl Castro ministro da Defesa, irmão de Fidel Castro, vice, e suposto sucessor. Raul Castro denunciou Ochoa e pediu punição exemplar. Todos os membros do tribunal militar também denunciaram o general Ochoa. O promotor militar, general Juan Escalona, afirmou em sua conclusão que o general Ochoa traiu seu povo, sua pátria e Fidel.
 O julgamento e a condenação foram realizados com brevidade. Junto a Ochoa treze outros oficiais foram acusados. Quatro, incluindo Ochoa foram condenados à morte; o resto recebeu longas penas de prisão. Ninguém teve qualquer defesa. Todos os acusados se declararam culpados. Em um ponto, como relatado pelo Ministério Cubano de Notícias Ochoa respondeu "Não" quando perguntado se Raul Castro teria conhecimento de sua actividade. Mas, não menos do que uma dúzia de desertores da inteligência cubana e seu Ministério do Interior, que é responsável pela segurança interna, bem como de inteligência da Nicarágua e seu Ministério do Interior, diplomatas da Nicarágua, e traficantes de drogas variadas, afirmaram inequivocamente que ambos Fidel Castro e Raúl Castro tinham conhecimento sobre o envolvimento de Cuba no tráfico de drogas, a sua aprovação, e que lucravam com isso. 
Luis Carlos Galán era um proeminente senador colombiano que fez campanha contra os barões da droga.Em 18 de Agosto de 1989, foi assassinado - acredita-se, a mando dos cartéis da droga. Seu assassinato, seguido de outros assassinatos semelhantes - de outros quatro funcionários que actuavam contra os interesses dos senhores da droga - um deles, dois dias antes, e três, apenas algumas horas antes do assassinato de Galan. Em resposta, o presidente Virgilio Barco ordenou a prisão de todos os suspeitos. Durante a noite, 11.000 pessoas, acredita-se ligadas aos cartéis de drogas foram presas. Nenhum dos principais traficantes de drogas estão entre os presos, e a maioria dos detidos foram liberados dentro de um dia ou dois.


MAFIA, NARCO TRÁFICO, E O MUNDO TERRORISTA DE FIDEL CASTRO.

300.000 cubanos passam por Angola de (1975-1988) Fidel Castro esteve fortemente envolvido na guerra civil. Num curso intensivo para os líderes cubanos sobre o território, a pequenas unidades de infantaria, alguns dissidentes do MPLA muitas vezes evocavam os episódios de esmagar a rebelião, sob ordens de Castro.



Anos 60, Ernesto Che Guevara reunido com guerrilheiros do MPLA em Brazzaville, 
lado direito o terceiro mais escuro é Nito Alves, fuzilado em Maio de 1977 pelo MPLA com a colaboração dos cubanos.  Nito Alves era Senior Comissário Político das FAPLA. 



Lado esquerdo Agostinho Neto, ao centro Che Guevara, à direita Lúcio Lara.



“CHE GUEVARA O MESTRE DO CRIME, UM PSICOPATA E ASSASSINO  ESCONDIDO ATRÁS DO MITO INVENTADO POR FIDEL CASTRO” 
                                Um dos piores e mais cruéis assassinos do século XX. 
"El Chancho" (o porco), como era conhecido pelos seus companheiros, adorava matar e era extremamente cruel.Serviu como modelo a outros tantos facínoras iguais que viam nele o seu ídolo. E ensinado nas escolas como herói por alguns professores comunistas e socialistas que se reconhecem neste assassino! 

 Carta à mulher, Hilda Gadea, em Janeiro de 1957: 
 "Estou na selva cubana, vivo e sedento de sangue." 
Um trecho do diário deste Psicopata Assassino: "Acabei com o problema dando-lhe um tiro com uma pistola calibre 32 no lado direito do crânio, com o orifício de saída no (lobo) temporal direito. Ele arquejou um pouco e estava morto. Ao tratar de retirar os seus pertences, não consegui soltar-lhe o relógio" É uma narrativa chocante, arrepiante, e assustadora, arrancada de livro de horror, onde só um psicopata assassino poderia detalhar ao pormenor e com requinte de sadismo a forma como executou um homem inocente. E roubando-lhe os objectos pessoais depois de estar morto.


                                         "A VERDADEIRA FACE DE UM MONSTRO" 
Ernesto Rafael Guevara de la Sena, filho de Ernesto Guevara y Lynch e Célia de la Serna y Llosa, nasceu em Rosário, Argentina, a 14 de Junho de 1928 foi morto (felizmente) no dia 8 de Outubro de 1967 com 39 anos voltados à barbárie, ao assassinato e ao terrorismo no mundo. Os seus mestres, e ídolos e os países que admirava: 
1-Vladimir Ilitch Lenin, o fundador do Estado Soviético, um dos ídolos de Che Guevara, disse em 1891: "A fome tem várias consequências positivas (...) a fome nos aproxima de nosso alvo final, o socialismo, etapa imediatamente posterior ao capitalismo.
"A fome destrói a fé não somente no Czar, mas também em Deus". Em 1921, por ocasião de uma grande fome quando Lenin já era o líder, reafirmou:  "A fome deveria servir para ferir mortalmente o inimigo (Igreja Ortodoxa)".  E foi mais longe, proibiu ajuda aos famintos. Quem os ajudasse, poderia até ser preso. Pereceram pela fome 6 milhões de pessoas. Che Guevara estudou Lenin e admirava-o, fixava-se nas frases de discurso leninista "É preciso lutar contra a religião", 
"O marxismo é incondicionalmente ateu, decididamente hostil a qualquer religião". 

2-Josef Vissarionovitch Stalin, uma das figuras mais perversas do século XX, responsável directamente por milhões de mortos, pelos processos de Moscovo, pela fome induzida na Ucrânia, pelos Gulags.
Foi a esta figura, diante de um retrato velho e prateado do camarada Stalin, a quem Che Guevara jurou aniquilar povos, afirmando "Jurei não descansar até ver esses povos capitalistas aniquilados". 
Por ocasião de sua visita a Moscovo, enfureceu-se com o embaixador cubano porque este se opôs a depositar flores no mausoléu de Stalin. 

3-Mao Tse Tung, Che Guevara tinha grande admiração, talvez por esse facínora ter instalado na China uma das mais perversas ditaduras de que a história teve notícia. E por ter ordenado a invasão ao Tibet nos anos 50, da qual morreram 1 milhão de pessoas (1 em cada 8 habitantes), e na qual monges foram enterrados vivos.
 Che Guevara conheceu Mao Tse Tung pessoalmente numa viagem à China, e disse: 
"na China não se vê nenhum dos sintomas de miséria que se vêem em outros países" 
O projecto económico de Mao na China, envolveu entre outras coisas a colectivização forçada, o resultado desse projecto foi a maior fome de toda a sua história, Mao impediu a aceitação de ajuda externa. Morreram mais de dez milhões de chineses. No dia 04 de Junho de 1989 o massacre de estudantes durante os protestos na Praça de Tiananmen, de 400 a 800 mortos segundo o jornal "The New York Times". De 2.600 segundo a Cruz Vermelha chinesa; De 7.000 segundo os manifestantes. O número de feridos é de 7.000 a 10.000 segundo a Cruz Vermelha. 
(Relatos históricos contendo informações precisas sobre os massacres do comunismo/socialista  no mundo, e aos quais o Tribunal Internacional do Crime tem fechado os olhos). 

Che Guevara também admirava desde jovem os comunistas da Guerra Civil Espanhola. Esses comunistas ficaram famosos por torturar, esquartejar e matar padres durante a guerra. Um dos comunistas que participou da guerra civil, Angel Ciutah, ajudou Che a criar o serviço de segurança do Estado, para proteger o estado revolucionário cubano. O serviço de segurança ficou famoso depois da morte de Che porque era um exemplo de eficiência na arte da tortura, das provas forjadas e dos assassinatos. Huber Matos, que lutou ao lado de Che Guevara e de Fidel de Castro, foi a primeira das vítimas, apenas por ter discordado do "comandante", foi executado. Che Guevara dizia que a solução para os problemas do mundo estava atrás da Cortina de Ferro, lá era a escola de todos os crimes: dos Gulags, das perseguições religiosas, dos massacres, da fome induzida, das polícias do terror, da repressão, e da morte, do maldito Muro de Berlim na Alemanha Oriental... Que quem quisesse escapar da miséria pulando esse muro era fuzilado.
            
Em 1956 na Polónia uma multidão em protesto contra o governo totalitário gritava: "Pão e Liberdade" foi reprimida pelas balas, morreram dezenas de pessoas. 
Em 1956 na Hungria houve a revolução anti-totalitária na qual a população resistiu com armas na mão contra a invasão soviética. Morreram 3.000 pessoas, 200.000 fugiram.


Sobre a Coreia do Norte Che Guevara escreveu: 
              "Dos países que visitamos a Coreia do Norte é um dos mais extraordinários". 
Na Guerra da Coreia provocada pelo governo do norte, morreram 500.000 pessoas, e no grande expurgo interno promovido por Kim II Sung ocorrido algum tempo antes da visita de Che Guevara, no qual o líder coreano perseguiu e matou milhares de opositores do regime.

Che disse:  "Cuba devia seguir o exemplo mostrado pela URSS". 
O racionamento de comida feito por Lenin, os Gulags, os expurgos de Stalin, a política anti-religiosa de Krushev, a burocracia corrupta de Brejnev, os inúmeros massacres e perseguições que o Partido Comunista impôs aos povos soviéticos. Assim, Cuba, a ilha-prisão, seguiu bastante o exemplo da URSS: Corrupção, expurgos internos, assassinatos, repressão, campos de trabalho forçado (que Che ajudou a construir) etc... 
Mas o que mais caracterizou a revolução cubana foi o "Paredón" em que Guevara teve participação activa, principalmente em La Cabaña. Assassinando, e dando ordens para matar milhares de pessoas: 17 mil execuções e mais de 80 mil que tentavam fugir da ilha. Mas há aqueles que ele próprio assassinou, e também os que foram executados sob a sua ordem directa.  Na ONU (qual ninho infestado de víboras) em 9 de Dezembro de 1964, este psicopata assassino teve a palavra, enquanto discursava nessa Assembléia Geral, gritou:
                                               "Execuções?","É claro que executamos!",
"E continuaremos executando enquanto for necessário!  Essa é uma guerra de morte contra os inimigos da revolução!" declarou o ungido, gerando aplausos entusiasmados daquele maquiavélico e nefasto órgão chamado ONU. 


                                 COVARDE, TERRORISTA, ASSASSINO FRIO E CRUEL: 
    O exemplo, seguido por assassinos que proclamavam e proclamam:
 "fraternidade, pão e liberdade". 
O ódio intransigente por quem se opunha ao socialismo (...) converteu-o em uma efectiva, selectiva e fria máquina de matar. "Nossos soldados têm de ser assim." Da Revista cubana Tricontinental, em Maio de 1967. 

   A troika assassina de Cuba.
Ernesto ‘Che’ Guevara, Raul Castro, Fidel Castro:


Fidel Castro e Guevara, 
dois psicopatas assassinos do mundo do crime. Che Guevara em Caballete de Casas, em Cuba, em 1958, Excepto na revolução cubana, a sua vida foi uma sequência de fracassos, foi derrotado no Congo e na Bolívia onde o foco de terrorismo de Guevara foi derrotado pela população pobre da Bolívia que lhe negou ajuda e ainda delatou o grupo.


   Três Facínoras: Guevara, Fidel Castro, René Cruz. 

       Na foto o capitão Gracia Olay é fuzilado em Santa Clara, sob o comando de Che Guevara.

 Assassinatos em Santa Clara, René Cruz um dos comandos do pelotão de fuzilamento de Guevara, quando se preparava para terminar a obra, e dar um tiro na nuca da vítima é impressionante o ar de compenetrado progressismo do assassino, e narcotraficante, felizmente, morto, (ardendo no inferno). 

SANTA CLARA:
 
Santa Clara; fuzilados por ordens de Che Guevara. 

 Moscovo 1961,o russo Nikita Khushchev recebendo Che Guevara.

    "Fuzilamos e seguiremos fuzilando enquanto for necessário, nossa luta é uma luta até à morte." Discurso na Assembléia-Geral da ONU, em 11 de Dezembro de 1964.

   Acto de capitalista abastado, fumar havanos,
uma das características deste Assassino.


CONGO
    Guevara e um contingente de cubanos lutaram ao lado do chefe tribal Laurent Kabila contra o coronel Mobutu. Em 1997 Kabila finalmente derrubou Mobuto, mas foi assassinado em 2001. Em seu curto governo, 3 milhões de pessoas foram mortas em guerras tribais. 



 O SANGUINÁRIO PSICOPATA ASSASSINO:

A PRISÃO:
 "Não disparem. Sou Che. Valho mais vivo do que morto." 
Há quarenta anos, no dia 8 de Outubro de 1967, essa frase foi gritada por um assassino maltrapilho e sujo, escondido em uma gruta nos confins da Bolívia. Nunca mais foi lembrada. Seu esquecimento deve-se ao facto de que, o pedido de misericórdia, o apelo desesperado pela própria vida e o reconhecimento sem disfarce da derrota, não combinam com a aura mitológica criada em torno de tudo o que se refere à vida e à morte deste facínora de nome Ernesto Guevara de la Serna" argentino, um mal nascido, em Rosário, o Che, que antes, para os companheiros, era apenas "el chancho", o porco, porque não gostava de banho e exalava cheiro pestífero:  


Félix Ismael Rodríguez Mendigutía nasceu em 1941 em Havana, Cuba, é um anticastrista, anticomunista, e ex-agente da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, famoso por ter ter participado na invasão da Baía dos Porcos, no interrogatório e execução de Che Guevara. 
Actualmente vive em Miami.

 Félix Ismael Rodríguez Mendigutía 


  "O MELHOR DE CHE GUEVARA PARA A HUMANIDADE FOI O MURO ONDE ELE FOI FUZILADO"

A MORTE POR FUZILAMENTO:
A 08 DE OUTUBRO DE 1967, MORRIA UM PSICOPATA ASSASSINO, NASCIA A FARSA.
 
 
No dia seguinte à execução, o agente da CIA, Villoldo, recebeu o cadáver de Che Guevara e enterrou-o clandestinamente em lugar desconhecido na manhã do dia 9 de Outubro de 1967, Ernesto Guevara de La Serna" conhecido como "el chancho" o porco, pelos seus companheiros,foi enterrado na área de Vallegrande, região central da Bolívia, sem mãos, que haviam sido amputadas por um médico. As mãos foram colocadas em formol, em uma urna de cristal.
 Foi feita Justiça sobre as vítimas e suas familias. 
Com as mãos amputadas este terrorista assassino, nem na outra vida voltará a matar.


Lado direito com camisa escura, o agente da CIA, Villoldo. 
As Forças Armadas da Bolívia admitiram pela primeira vez que o cadáver do argentino Ernesto Guevara, foi enterrado na área de Vallegrande, região central do país. "De acordo com as informações que temos, o cadáver de Guevara foi enterrado em Vallegrande", afirmou o general Ernán Aguilera, chefe das Forças Armadas. Os militares bolivianos que mataram o terrorista argentino em 1967, haviam se mantido afastados das especulações sobre o paradeiro do corpo. Aguilera, porém, disse que as Forças Armadas não sabem a localização exacta em que foi enterrado Guevara. Segundo o general, das três pessoas que participaram do enterro, duas morreram, e a terceira não conseguiu reconhecer o local do sepultamento porque a topografia da região, sujeita a erosões, mudou muito. As declarações dos militares acontecem em meio a buscas pelo cadáver de Guevara realizadas por cientistas cubanos e argentinos, com a ajuda do governo boliviano. É a segunda vez que cientistas procuram os restos mortais de Guevara. Em Dezembro de 1995, um grupo de pesquisadores realizou sem sucesso escavações na região de Vallegrande. Oito anos depois de ter participado ao lado de Fidel Castro da revolução comunista em Cuba, o terrorista argentino Guevara escolheu a Bolívia para lançar um nova onda de terror e de morte, que, segundo ele, se espalharia por toda a América Latina.



 O MURO "PAREDÓN" 
O Muro "Paredón" construído na revolução cubana em que Che Guevara teve participação activa, também participou na construção do muro. Milhares de pessoas inocentes foram mortas, sem julgamento, centenas de pessoas inocentes por ordens de Guevara, e pela  própria mão de Guevara ao longo de 10 meses à frente da Forteleza de "la Cabaña" Che Guevara mandou fuzilar 179 pessoas, uma média de quase 18 pessoas por mês. Antes de deixar Santa Clara ordenou a pena de morte. 23 pessoas inocentes foram fuziladas, sem julgamento, pela própria mão de Guevara na Sierra Maestra (1957-1958). O New York Times na época noticiou outras 15 execuções, mas desconhecem-se os nomes das vítimas.
Foi executado da mesma forma que executou centenas de homens inocentes, e instigou aos assassinatos de milhares de pessoas inocentes, responsável por espalhar ódio, crimes, e a morte, encontrando eco nos seus iguaisNeste caso Historicamente falando a justiça raramente foi tão bem feita. Se o ditado diz:  "Tudo o que vai, volta" expressa bem uma situação.

   



                               A sala de Crongressos do Partido Comunista de Cuba:
               Tendo como fundo Painel com imagens dos mestres dos crimes contra a humanidade.
Os crimes contra a Humanidade de Cuba para o mundo, atingiram o seu expoente máximo em Angola, aquando os criminosos comunistas e socialistas da "revolução dos cravos" de Lisboa negociaram Angola com Moscovo e ofereceram a Fidel Castro o comando militar nessa província de Portugal (para implantação do comunismo) onde lançou uma intervenção em grande escala com 300.000 soldados cubanos para assassinar e mutilar povo estrangeiro.



oncontextmenu='return false'>